Você está aqui

Sangue em portão de casa deve ajudar polícia sobre morte de mulher em ambulância

Jovem de 25 anos foi espancada e morreu a caminho do hospital

Vestígios de sangue encontrados em um portão de uma casa são a arma que a polícia dispõe para esclarecer o homicídio de Jenenffer de Almeida, de 25 anos, morta no dia 26 de março. Seu  corpo foi encontrado em um terreno baldio, no Bairro Nova Campo Grande, na Capital.

A jovem, que foi espancada, chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros, mas morreu dentro da ambulância.

Sem indícios sobre a autoria do crime, a polícia foca agora na análise de vestígios de sangue encontrados em um portão próximo do local onde a vítima ela foi socorrida. 

O material foi enviado para análise e deve ajudar na elucidação do caso, segundo a delegada Christiane Grossi, titular da 7º Delegacia de Polícia Civil e responsável pelo inquérito.

A gravidez anteriormente levantada por familiares da jovem foi descartada pela polícia, após exames. Testemunhas já foram ouvidas e outras ainda devem ser chamadas para depor. Nenhuma hipótese para o crime é descartada, inclusive, ter sido motivado por drogas, já que Jenenffer era usuária.

No local onde a jovem foi encontrada os militares localizaram uma bolsa, peças de roupas e uma Bíblia que seria de Jennenfer.

Tópicos