Você está aqui

Pais procuram por adolescentes que desapareceram há três dias em Campo Grande

Meninos podem ter combinado 'sumiço'

Três adolescentes de 14 e 15 anos estão desaparecidos há três dias. As famílias registraram boletim de ocorrência, mas ainda não têm informações sobre o paradeiro dos meninos. 

Os familiares suspeitam de que os adolescentes - que moram na região do Jardim Noroeste, no leste de Campo Grande - tenham combinado o sumiço. Segundo as informações, os três estavam juntos e comentaram com um amigo, em comum, que sairiam de casa. 

O pai de um deles afirma que falou com o filho pela última vez na quarta-feira (9), quando a família se preparava para dormir. O menino estuda não foi não foi visto na escola na quinta-feira (10).

"Eu e minha mulher saímos cedinho para trabalhar e ele ficou dormindo porque estuda à tarde. Quando voltamos, por volta das 18 horas, ele não estava, começou a demorar e pensamos que ele tinha perdido o ônibus, mas como demorou muito mais, procuramos a namorada dele e ela nos disse que ele mandou mensagem dizendo que estava longe, mas ela não levou à sério. Falamos com um amigo que disse que ele comentou que estava cansado de ficar em casa e que iria viver a vida dele. Estamos à base de calmantes", comenta o pai. 

Ao procurar informações do filho, o pai soube que os outros dois adolescentes tinham desaparecido e que a suspeita é de que estivessem juntos. O pai de outro adolescente afirma que o filho saiu de casa com uns amigos. O menino disse que iria para aula, o que não ocorreu. "Ele saiu com uns meninos na hora do almoço, achei que ele iria para a escola, mas não foi e não voltou para a casa. Estou preocupado, meu filho está passando por uns problemas e está fazendo acompanhamento psiquiátrico. Ele está sem os medicamentos desde que sumiu", lamenta.

A mãe de outro jovem destacou que o filho aproveitou que o padastro havia saído para fugir de casa. "Meu marido estava em casa com ele e teve de sair para ir à padaria e quando voltou meu filho não estava mais. Percebi que ele levou algumas roupas, mas ele não trabalhava e não estava com dinheiro. Ele nunca saiu de casa antes, mas soubemos que ele comentou que estava cansado de ficar preso em casa e que queria mais liberdade. Me sinto apavorada com isso. A gente cuida tanto e acontece isso. Minha única esperança é de que ele volte", declara. 

As famílias afirmam que desde o dia do desaparecimento os celulares dos adolescentes estão desligados. Um amigo teria informado de que os meninos teriam seguido para uma chácara em Coxim - a 253 a quilômetros de Campo Grande.

O caso foi registrado na Depca (Delegacia de Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente). A equipe de reportagem do Jornal Midiamax entrou em contato com o delegado Paulo Sérgio Lauretto, mas ele não falou sobre o assunto. 

Atualização: Matéria editada às 07h40 de domingo (13) em função da localização dos adolescentes desaparecidos.

Tópicos