Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Rapaz é morto com mais de 15 facadas pelo ex-namorado da mulher no Aero Rancho

02 Candidatos ao governo de MS duelam no segundo debate realizado pelo Jornal Midiamax

03 Pai do cantor sertanejo João Bosco sofre acidente e fica ferido no interior de MS

04 Menino de 7 anos apanha na saída da escola e diz para a mãe que 'bateu em árvore'

05 CONFIRA: quatro concursos públicos estão com inscrições abertas

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

13/04/2014 11:38

Caso Erlon: Ato Público em Campo Grande discute inversão de valores

Aumentar texto Diminuir texto

Jucyllene Castilho


Um dos temas debatidos no Ato Público realizado na manhã de hoje são as inversões de valor. A manifestação é para que o caso do empresário Erlon Peterson Pereira Bernal, de 32 anos, no morreu no 1º de abril não caia no esquecimento e que o poder legislativo olhe melhor pelas leis regulamentadas. 


“Queremos justiça, mas para isso temos que olhar os valores que estamos passando para os nossos filhos dentro de casa”, fala a prima de Erlon, Eveny Parrela. “Até quando mais inocentes vão continuar a morrer?”, questiona. 

Eveny se diz indignada com o descaso das famílias no dia de hoje. “Há uma inversão de valores, a morte está se tornando algo banal, a agressividade é algo fácil de ser vista e o amor pelo próximo está ficando cada vez mais distante. Quem é que está criando estas pessoas sem amor no coração? Estas pessoas que não tem compaixão pela família, que tira pais, filhos, amigos do seu meio por causa de coisas tão supérfluas?”, indaga. 

Os familiares de Erlon estão abalados com o fato de o empresário ter morrido de forma cruel, sem possibilidade de defesa por causa de um automóvel. O caso foi investigado pela Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos) e cinco pessoas foram apontadas como tendo ligação direta com o latrocínio – roubo seguido de morte. 

Os envolvidos são Thiago Henrique Ribeiro, de 21 anos, que trabalhava em uma fábrica de refrigerantes na saída para São Paulo, o pedreiro Jeferson dos Santos Souza, de 21 anos, Rafael Diogo, conhecido como “Tartaruga”, de 21 anos, que era empregado de uma lavanderia de hospital, e o funileiro Athaíde Pereira, de 50 anos. Além de uma adolescente de 17 anos, que teve a identificação preservada, conforme prevê o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Luiz Alberto



Comentários (2)

16/04/2014 16:45
Placida Barros
Infelizmente tem que haver pena de morte para estas mortes cruéis. Porque os bandidos são cruéis e sabem que a punição é pequena

13/04/2014 19:27
afonso roa
eu vejo falar que tinha uma menor, como que para votar ela pode, o rosto não pode mostrar, e o mecânico não sabia mas que mentira pois todos comentavam a noticia, sabe o que isto esta acontecendo se chama IMPUNIDADE, amanha estão todos soltos, para ir no aniversário dos parentes, porque é natal etc. mas o nome mesmo é IMPUNIDADE. Vergonhoso nosso país.

22h33
Artefato parecido com explosivo de canhão é encontrado na Capital
21h45
SIG de Nova Andradina elucida tentativa de homicídio e apreende adolescentes
21h02
Denar incinera drogas nesta terça-feira em Campo Grande
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública
Charge do dia
Charge