Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Quebra-pau: briga generalizada envolve mais de 60 pessoas em evento sertanejo e fere dois

02 Criança de 2 anos morre a tiro durante briga por 'fofoca' em bairro de Campo Grande

03 Calor e tempo seco provocam vendavais em MS e meteorologista alerta: vem mais

04 Com decreto de ponto facultativo, servidor ganha ‘feriadão’ na próxima semana

05 Polícia encontra mais de meia tonelada de cocaína em carro capotado na BR-262

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

06/02/2014 10:07

Governo vai recorrer para garantir concurso da Sefaz suspenso por suspeita de irregularidade

Aumentar texto Diminuir texto

Evelin Araujo


Com mais de 12 mil inscritos, o concurso da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) para Fiscal de Rendas e Agente tributário Estadual foi cancelado nesta quarta-feira (5), mas o governo do Estado pretende recorrer da decisão para garantir que o concurso seja feito.

Segundo a assessoria de comunicação do governo, o Estado ainda não foi notificado. “Assim que chegar a notificação a Procuradoria-Geral do Estado deve entrar com um recurso. Ainda não se sabe oficialmente porque foi suspenso o concurso, mas a decisão passará por análise jurídica. A intenção é garantir a realização do concurso”.

A decisão em caráter liminar, que suspendeu o concurso com salários que chegam a R$10.883,32 é do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande.

A ação civil pública pedindo a suspensão do certame foi impetrada pela promotora de Justiça, Paula Volpe, do Ministério Público Estadual (MPE), que questiona a legalidade do concurso público e a isenção da banca examinadora. De acordo com o processo, o edital do concurso foi publicado no dia 4 de novembro de 2013 e o prazo das inscrições começou a correr no mesmo dia.

De acordo com nota publicada pelo site do Tribunal de Justiça (TJ-MS), o juiz ressalto na decisão que o interessado deveria ter conhecimento do edital, avaliar as condições logísticas para participar do concurso, decidir se o cargo oferecido é de interesse, providenciar documentos e certidões exigidos, em apenas 10 dias.

 “Esta pressa toda tem o potencial de afetar a publicidade do ato e até mesmo os princípios da isonomia e da legalidade, já que limita o acesso dos interessados ao concurso e, por outro lado, trata de forma desigual aqueles que podem pagar a inscrição e os que não podem, praticamente impedindo o uso da gratuidade. Contraria, em suma, o art. 37 da Constituição Federal”, escreveu.

Sobre a não divulgação de nomes e qualificações funcionais dos membros que compõem a banca examinadora, o juiz apontou:“Este silêncio impede que se saiba sobre eventuais impedimentos ou suspeições que possam ocorrer e, neste ponto, é oportuno lembrar que o Ministério Público afirma que altos funcionários da Administração Estadual, ocupantes de cargos de direção e de assessoramento, bem como de familiares de autoridades do Estado de Mato Grosso do Sul, estão inscritos neste mesmo concurso”.

Foto: Elis Regina

Ao finalizar, o juiz decretou que defere o pedido liminar para, antecipando a tutela jurisdicional, determinar a suspensão do concurso público aos cargos de Fiscal de Rendas e Agente Tributário Estadual em Mato Grosso do Sul até que venha a sentença.

Notícias relacionadas

05/02/2014
17h01 Justiça suspende concurso com vagas de altos salários da Sefaz por suspeita de ilegalidade
25/01/2014
13h12 Ministério Público Estadual pede anulação de concurso da Sefaz-MS


Comentários (4)

18/02/2014 21:18
Pedro
Parabéns Doutora, é desta forma que se constrói uma sociedade. Diante de tal decisão vejo que a justiça deste estado tem entre tantos um Juiz que foi capaz de se pronunciar a favor do bem comum, coisa rara neste Estado onde o povo não tem qualquer direito diante do Estado.
Enfim, é ora de estudar e acima de tudo protestarmos por um Estado livre do LIXO político administrativo que se instalou ao lo

07/02/2014 10:15
Andre
Nem conheço a promotora Paula Volpe pessoalmente; mas já me simpatizo! Assim como o Juiz Federal Odilon de Oliveira.

07/02/2014 08:03
Urias Fonseca Rocha
Esse concurso deve ser cancelado, é ostensivo que existe manipulação; se não cancelar a situação ficará mais suspeita ainda, e digo mais, deve-se devolver o dinheiro dos candidatos e repassar a uma instituição de confiabilidade para montar o certame. Óbvio que com novas inscrições, ou seja começar do zero!!! "Nesse mato tem coelhos"

06/02/2014 13:09
asdfasdf
Parabens Juiz David de Oliveira Gomes Filho

14h03
Transformador explode no Centro, pega fogo e assusta moradores e pedrestres
14h01
Incêndio que teria sido causado por curto-circuito destrói parte de residência
13h30
Nova regra: cinco municípios de MS ainda não fazem manutenção da iluminação pública
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública