Midiamax
BUSCA: 
Editorial
TURISMO CADAVÉRICO
O prefeito de Bonito quer desbancar o saudoso personagem Odorico Paraguaçu. Mas a vida não imita a arte. Acorda desse pesadelo, Excelência!
Leia na íntegra
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Nelsinho, governo e vereador terão destino traçado pelo MPE nos próximos dias

02 Ladrões invadem residência e matam vítima porque não conseguia abrir cofre em MS

03 Criança cai de segundo andar do prédio do Procon de Campo Grande

04 Campo Grande tem até policial com dedicação exclusiva entre 'empresários' no setor de táxi

05 Duas vagas remanescentes de Zeca no TCE são disputadas por três ligados a Puccinelli

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

06/02/2014 10:07

Governo vai recorrer para garantir concurso da Sefaz suspenso por suspeita de irregularidade

Aumentar texto Diminuir texto

Evelin Araujo

Foto: Elis Regina

Com mais de 12 mil inscritos, o concurso da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) para Fiscal de Rendas e Agente tributário Estadual foi cancelado nesta quarta-feira (5), mas o governo do Estado pretende recorrer da decisão para garantir que o concurso seja feito.

Segundo a assessoria de comunicação do governo, o Estado ainda não foi notificado. “Assim que chegar a notificação a Procuradoria-Geral do Estado deve entrar com um recurso. Ainda não se sabe oficialmente porque foi suspenso o concurso, mas a decisão passará por análise jurídica. A intenção é garantir a realização do concurso”.

A decisão em caráter liminar, que suspendeu o concurso com salários que chegam a R$10.883,32 é do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande.

A ação civil pública pedindo a suspensão do certame foi impetrada pela promotora de Justiça, Paula Volpe, do Ministério Público Estadual (MPE), que questiona a legalidade do concurso público e a isenção da banca examinadora. De acordo com o processo, o edital do concurso foi publicado no dia 4 de novembro de 2013 e o prazo das inscrições começou a correr no mesmo dia.

De acordo com nota publicada pelo site do Tribunal de Justiça (TJ-MS), o juiz ressalto na decisão que o interessado deveria ter conhecimento do edital, avaliar as condições logísticas para participar do concurso, decidir se o cargo oferecido é de interesse, providenciar documentos e certidões exigidos, em apenas 10 dias.

 “Esta pressa toda tem o potencial de afetar a publicidade do ato e até mesmo os princípios da isonomia e da legalidade, já que limita o acesso dos interessados ao concurso e, por outro lado, trata de forma desigual aqueles que podem pagar a inscrição e os que não podem, praticamente impedindo o uso da gratuidade. Contraria, em suma, o art. 37 da Constituição Federal”, escreveu.

Sobre a não divulgação de nomes e qualificações funcionais dos membros que compõem a banca examinadora, o juiz apontou:“Este silêncio impede que se saiba sobre eventuais impedimentos ou suspeições que possam ocorrer e, neste ponto, é oportuno lembrar que o Ministério Público afirma que altos funcionários da Administração Estadual, ocupantes de cargos de direção e de assessoramento, bem como de familiares de autoridades do Estado de Mato Grosso do Sul, estão inscritos neste mesmo concurso”.

Ao finalizar, o juiz decretou que defere o pedido liminar para, antecipando a tutela jurisdicional, determinar a suspensão do concurso público aos cargos de Fiscal de Rendas e Agente Tributário Estadual em Mato Grosso do Sul até que venha a sentença.

Notícias relacionadas

05/02/2014
17h01 Justiça suspende concurso com vagas de altos salários da Sefaz por suspeita de ilegalidade
25/01/2014
13h12 Ministério Público Estadual pede anulação de concurso da Sefaz-MS


Comentários (4)

18/02/2014 21:18
Pedro
Parabéns Doutora, é desta forma que se constrói uma sociedade. Diante de tal decisão vejo que a justiça deste estado tem entre tantos um Juiz que foi capaz de se pronunciar a favor do bem comum, coisa rara neste Estado onde o povo não tem qualquer direito diante do Estado.
Enfim, é ora de estudar e acima de tudo protestarmos por um Estado livre do LIXO político administrativo que se instalou ao lo

07/02/2014 10:15
Andre
Nem conheço a promotora Paula Volpe pessoalmente; mas já me simpatizo! Assim como o Juiz Federal Odilon de Oliveira.

07/02/2014 08:03
Urias Fonseca Rocha
Esse concurso deve ser cancelado, é ostensivo que existe manipulação; se não cancelar a situação ficará mais suspeita ainda, e digo mais, deve-se devolver o dinheiro dos candidatos e repassar a uma instituição de confiabilidade para montar o certame. Óbvio que com novas inscrições, ou seja começar do zero!!! "Nesse mato tem coelhos"

06/02/2014 13:09
asdfasdf
Parabens Juiz David de Oliveira Gomes Filho

21h59
OAB/MS vai ajuizar ação contra concurso para procurador do Estado
20h33
Mulher toca fogo nas roupas do marido e incendeia casa na Capital
19h34
Casa pega fogo na Ernesto Geisel em Campo Grande
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública