Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Polícia prende chefe de gabinete por crime eleitoral em evento de campanha no interior

02 Idoso vai parar na delegacia depois de 'abusar sexualmente' de três cachorrinhas na Capital

03 Mãe denuncia vizinhos por estupro de filhas na Vila Julieta em Campo Grande

04 Polícia confirma prisão de chefe de gabinete por uso de máquina da Prefeitura em comitê

05 Preso é encontrado morto dentro de cela na Máxima de Campo Grande

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

06/01/2014 12:26

TJPE avalia abertura de processo administrativo contra juíza acusada de adoção irregular

Aumentar texto Diminuir texto

Uol/GA

A Corte do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) se reúne na tarde desta segunda-feira (6) para avaliar a abertura de um processo administrativo contra a juíza Andréa Calado da Cruz, da Vara da Infância e da Juventude de Olinda, acusada de favorecer um casal em um caso de adoção ocorrido no ano passado. A reunião está marcada para as 14h. Para abertura do processo administrativo, é necessário que pelo menos dez dos quinze desembargadores do TJPE decidam por esse encaminhamento, após avaliar o trabalho da Corregedoria. Caso o processo seja aberto, a punição máxima que a juíza pode receber é a aposentadoria compulsória. A medida a permitiria manter os rendimentos.

O caso foi denunciado pela procuradora Henriqueta de Belli no final de agosto de 2013. Segundo a acusação, a juíza teria agido irregularmente ao conceder a guarda de uma criança para um casal que morava nos Estados Unidos e que não constava no cadastro nacional de adoção. O casal ainda teria furado a fila sob a alegação de que se estava fazendo uma caridade pela menina, abandonada pela mãe no Hospital Tricentenário, em Olinda. Durante o processo de adoção, o casal teria batizado a criança com documentos falsos. Eles devolveram a menina em setembro e ela foi entregue a outros pais.

No início de setembro, a promotora ingressou com uma denúncia de tráfico de influência na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) contra a juíza, o presidente da Casa, Guilherme Uchoa (PDT) e a filha dele, Giovana Uchoa. Segundo a denúncia, Giovana teria interferido em favor da adoção. O deputado, que negou ter atuado para favorecer o casal na adoção da criança, chegou a abrir um processo contra três veículos de comunicação, dentre eles o Jornal do Commercio, para proibir a veiculação de matérias sobre o caso. Na época, a Comissão de Ética da Alepe decidiu engavetar a denúncia.

Comentários (0)

 
Deixar comentário
07h48
Adversários "azaram" e "jogam olho gordo", diz Dilma
22h58
Projeto torna mais duras punições do Estatuto do Torcedor
22h28
PEC estende a mulheres vítimas de violência benefícios da assistência social
Artigo do dia
João Campos
País mambembe
Entrevista
Especialistas advertem que prática de exercícios sem acompanhamento pode levar à morte
Loteria
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 6,6 milhões