Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Colisão entre carreta e caminhonete deixa três pessoas mortas na BR-262

02 Mulher diz que levou ‘mata-leão’ de dono de restaurante ao reclamar de lixo na calçada

03 Amigo ameaça outro de morte por acreditar que mexeu com esposa na missa em MS

04 Polícia prende 'justiceiro' que jurou matar qualquer morador do Parque do Sol

05 Mais cara do País, campanha em MS adota 'cultura do repasse', aponta mídia nacional

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

15/11/2013 15:21

Mãe reclama que filha de 3 anos morreu por negligência médica em Campo Grande

Aumentar texto Diminuir texto

Tatiana Lemes


Mais uma família campo-grandense chora a morte de uma criança por falta de médicos pediatras nos posto de saúde de Campo Grande. Desta vez foi Pietra Espíndola Ferreira, de 3 anos, que morreu na manhã desta sexta-feira (15), por volta das 7 horas, no Hospital Regional Rosa Pedrossian. A família acredita que a causa da morte seja hemorragia.

Muito emocionada a mãe da menina, Zunilda Aparecida Espíndola, de 30, conta que levou a filha a Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Coophavila II na quinta (14), porque há alguns dias a criança reclamava de dor na barriga.

No posto de saúde os atendentes informaram à mãe que não tinha pediatra para atendê-la, mas Zunilda insistiu no atendimento alegando que a filha estava muito mal. Por esse motivo, foi encaminhada para atendimento com um clínico geral.

O clínico que examinou a criança, que disse à mãe que não era pediatra, acreditava que provavelmente seria uma pneumonia e iria encaminhá-la para o hospital. Por volta das 22h, a criança foi encaminhada para a sala de repouso para ser medicada.

De acordo com a mãe, o enfermeiro aplicou soro com dipirona na veia da menina para amenizar a dor na barriga. E depois de 1h a mãe reclamou da demora em transferir sua filha, mas foi informada que teria que esperar.

Depois que retornou a sala viu que a filha estava com os olhos vermelhos e pedia para ir embora. “Ela me pedia para ir embora daquele lugar, se soubesse que iria acontecer isso com minha filha tinha tirado ela de lá”, desabafa a mãe.

Ainda de acordo com a mãe, por volta das 4h30, transferiam a criança para outra sala, foi nesse momento que a mãe viu que a língua da menina estava sangrando. Então o posto de saúde acionou o SAMU (Serviço Móvel de Urgência) e, uma equipe chegou e levou a menina para o hospital.

A mãe, muito abalada, não soube precisar quanto tempo demoraram a informar a situação da filha. Zunilda conta que nesse tempo conversou com a assistente social do hospital, que tentou acalmá-la. A médica que atendeu Pietra chamou a mãe e disse que o quadro dela não era bom. “A médica disse que ela tinha tido uma parada cardíaca e era para eu rezar que o coração dela estava muito fraco”, relata.

Minutos depois veio à notícia que sua pequena filha tinha falecido. Ela conta que quando entrou no quarto a filha estava toda inchada e com sangue escorrendo pela boca. “Eu não entendo ela estava bem apenas com dor na barriguinha e do nada ela morre”, conta em meio as lágrimas.

Em desabafo, mãe relatou que acredita que a morte da filha foi por negligência, tanto dos funcionários, como do médico que atendeu sua filha. “São todos funcionários novos e sem experiência para lidar com essa situação, como pode deixar uma criança de apenas 3 anos morrer e não saber nem a causa da morte”, desabafa.

Ela registrou um Boletim de Ocorrência na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga para tentar saber qual foi a motivo que levou a morte de sua filha. Familiares e amigos estão inconformados com a situação e pedem uma resposta para a morte de Pietra. Toda a família e vizinhos estão reunidos na casa da família, no bairro Pedro Teruel Filho, para tentar consolar a mãe.

Depois da mãe, a mais abalada é a avó Ambrósia Espíndola, de 51 anos, que não se conforma com a morte da menina. Para ela Pietra ainda vai voltar e continuar a alegrar a vida de todos.

“Eu achei muito estranho o que aconteceu com minha netinha, era uma criança tão amorosa e brincalhona com todo mundo. Eu ainda não consigo imaginar que ela se foi, acho que qualquer momento ela vai voltar”, finaliza.

Minamar Junior
Familiares estão inconformados com a morte de Pietra e pedem explicações da causa da morte



Comentários (5)

16/11/2013 17:14
rosana
A saude de campo grande ta um caos descaso minha avo faleceu em 10/10/13 no posto de saude do aero rancho...foi duas vezes no mesmo dia...diagnostico gastrite...mas era infarto sao despreparados.....so estao matando nossas familias de tristesa e dificil foi por erro medico concertesa.

16/11/2013 10:10
Placida Barros
Estive na Sta Casa estes diaspara para um atendimento de urgência, mas o que me chamou atenção foi a falta de humanidade dos enfermeiros, não estão nem aí para os doentes. Disse para um a enfermeira o paciente tal te chamendo e ela disse: ele tem que esperar! E não foi.. aí ele me pediu de novo para chamar a enfermeira porque estava com muita dor, e chamei, e ela se irritou e não foi dar atenção.

15/11/2013 22:47
osmar jorge soares
boa noite, não é só no atendimento publico n semana passada levei minha filha de 2 anos e meio, num hospital particular, não vou citar o n mas fica na afonso pena, e um tal médico não soube diagnosticar que era intestino preso, ele passou um remédio para cortar o vomito pois ela estava vomitando e com muita dor na barriga. tive que levar no pronto med e lá a medica fez uma lavagem

15/11/2013 21:51
katyane
infelismente e mais um anjo que se vai por culpa medica.eu nao entendo que ainda tem gente que compra diploma de medicina para ser medico.senhor bernal cade a promessa que iria transformar alguns posto de saude em 24 horas,vc disse que tinha 2 medicos umgovernador e o outro prefeito e agora vai faz o que com essa familia que perdeu sua filha vamos la prefeito vc ainda tem mais de 3 anos

15/11/2013 20:48
lucia
Depois dizem que tem médicos! O que falta é estrutura. Parem com isso. S e tivesse um médico cubano ou de qqer outra patria, essa criança não teria morrido. Os nossos medicos estão pouco preocupados com o povo. Que Deus conforte o coração dessa mãezinha.

09h37
Vendedor aproveita concurso para ganhar dinheiro extra
09h12
FLAGRA: motociclista perde controle do veículo e quase cai em córrego de Campo Grande
09h01
Atraso e falta de documento fazem concurseiros perder prova do Detran
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública