Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Estado pode ter 'tempestades destrutivas' e nova mudança climática já atinge a Capital

02 'Ex-bernaldete' se aproxima de Olarte, cogita cargo na Prefeitura e revolta ex-aliados

03 Reviravolta: Justiça afasta vereador que havia tirado prefeito do cargo dias atrás

04 PF realiza em Campo Grande leilão de veículos com valores entre R$ 600 e R$ 12 mil

05 Uso de poços artesianos na Capital pode ser liberado com derrubada de decreto

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

21/01/2013 10:16

Deficiente visual que pratica atletismo cai da escada em seu 1° dia de treino no Morenão

Aumentar texto Diminuir texto

Graziela Rezende


Cléber Gellio

Em seu primeiro dia de treino em Campo Grande, na manhã desta segunda-feira (21), a deficiente visual Dalila Araújo dos Santos, 32 anos, caiu na escada que dá acesso ao vestiário do Morenão, próximo ao portão 20.

Com a suspeita de luxação nas pernas e escoriações no braço esquerdo, ela teve de ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada para a Santa Casa. “Eu sou o guia dela, mas também treino atletismo. Eu a deixei sentada na arquibancada, descansando, mas ela decidiu sair sozinha”, diz Felipe José Rosa Xavier, 25 anos.

Felipe treinava com o também atleta Yeltson Francisco Ortega, 21 anos. Ambos possuem a visão prejudicada, mas não 100% como Dalila. Eles, que possuem o sonho de viver do atletismo, treinam por conta própria, sem ajuda de custo alguma, com exceção de Yeltson. Ele, às vezes, corre com patrocínio por uma cidade do interior paulista.

“A Dalila é mais nova no esporte. Ela praticava em Dourados e agora veio para cá, morar com um irmão no bairro Jardim das Hortências. Nós já treinamos há pelo menos cinco anos, sendo que tínhamos marcado no Morenão por considerar boa a estrutura, apesar da falta de acessibilidade”, argumentou Yeltson.

O trio tem a intenção de participar do Circuito Nacional da Caixa Econômico. E, mesmo com as dificuldades, eles garantem a reportagem do Midiamax que não vão desistir do desafio.

Outro acidente em Campo Grande

Há quatro dias, a deficiente visual Angélica Barbosa Serra, 42 anos, caiu em um buraco de aproximadamente 2,5 metros de profundidade no cruzamento das ruas Paulo Freire e Fernando Augusto Correa da Costa em Campo Grande. A mulher foi encaminhada ao Prontomed com dores nos braços e vários machucados pelo corpo.

Na ocasião, o buraco tinha sido aberto por funcionários da Oi que trabalhavam no conserto de duas caixas de telefonia. Angélica contou que os trabalhadores abriram o buraco e deixaram o local sem nenhuma proteção. “Quando retornava da casa de uma amiga e estava a 200 metros de casa quando cai”, contou a vítima.

Notícias relacionadas

17/01/2013
11h29 Deficiente visual fica ferida ao cair em buraco sem proteção em Campo Grande

Comentários (0)

 
Deixar comentário
19h55
Sistema de ar condicionado estraga no Hospital Regional em Campo Grande
19h04
Indígenas de MS rejeitam criação de Instituto Nacional de Saúde e acusam Governo de privatização
18h01
Orla Cultural apresenta "Escutação: Percursos Poéticos Regionais" nesta quinta-feira
Entrevista
Prefeito rebate críticas e diz que tem de resolver até o que é atribuição do Estado