Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Jovem de Nova Alvorada do Sul garante que emagreceu 90 kg em 6 meses com 'ajuda de melancia'

02 Bebê é internado com traumatismo e avó diz que acertou neto ao tentar espantar um gato

03 Novo desafio na rede: mulheres postam fotos sem maquiagem e convidam amigas a fazer o mesmo

04 Executiva Nacional do PSB desmente aproximação de Marina Silva com Nelsinho Trad

05 Incêndio atinge sobrado e moradora suspeita da filha do dono do imóvel

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

02/12/2012 11:51

Demora da Justiça retarda conclusão de processos demarcatórios, diz presidenta da Funai

Aumentar texto Diminuir texto

Agência Brasil/MA


Divulgação

Ao participar da tradicional assembleia dos povos Guarani Kaiowá e Nhandeva, a chamada Aty Guasu, na qual ouviu dos índios críticas à lentidão do governo federal na demarcação de novas terras indígenas, a presidenta da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marta Azevedo, disse que a demora do Poder Judiciário no julgamento dos recursos que questionam as iniciativas da fundação tem retardado a conclusão dos processos demarcatórios.

A assembleia indígena foi ontem (1º) "Demora uma geração e, por isso, há jovens que crescem em acampamentos, impedidos inclusive de acessar a reprodução da própria cultura, já que não têm acesso efetivo a suas terras", ressaltou Marta, citando o caso da Terra Indígena Arroio-Korá, que fica em Paranhos, município sul-mato-grossense na fronteira com o Paraguai.

Com mais de 7 mil hectares de extensão, a terra indígena foi homologada pelo governo federal em 21 de dezembro de 2009. Sete dias depois, o então presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, concedeu liminar aos donos de uma fazenda de 184 hectares existente na área e suspendeu os efeitos do decreto presidencial sobre a propriedade até o julgamento definitivo da questão.

Quase três anos depois, a disputa jurídica ainda não foi julgada. "É uma daquelas situações em que as pessoas entram na Justiça e obtêm a suspensão dos decretos de homologação das terras que já estão demarcadas. Como estão judicializadas, os índios ainda não tem a posse destas áreas", disse a presidenta da Funai.

Marta Azevedo também mencionou o caso de processos de demarcação que, embora ainda não concluídos, já foram judicializados, impedindo os técnicos da fundação de continuar os estudos antropológicos e demais procedimentos necessários para que uma terra seja considerada território tradicional indígena.

Ela admitiu, porém, que o trabalho de alguns grupos técnicos constituídos para fazer os primeiros estudos de identificação de terras, sobretudo do sul do estado, realmente vêm sendo "morosos". Neste caso, Marta atribuiu a lentidão aos "problemas e à tensão" existentes em Mato Grosso do Sul.

"Nosso compromisso é finalizar aquilo que está dentro de nossas competências e pactuar com as lideranças indígenas um prazo para entrega de todos os relatórios destes grupos de trabalho", disse Marta. Ela adiantou que todos os estudos deverão ser concluídos ainda neste ano. "Muitos antropólogos já os entregaram. Isso já está em processo.

Queremos entregar os relatórios relativos a essas áreas em estudo para que possamos encontrar soluções em curto prazo para pacificar a região." Marta não soube precisar, contudo, quantas são as áreas em estudo.

"Há cinco regiões, mas há muitas outras terras em processo de demarcação que estão na Justiça. Por isso, agora estamos tentando construir um entendimento jurídico para que possamos compensar [financeiramente] os proprietários rurais que adquiriram, de boa-fé, títulos de terras devidamente regularizados."

Comentários (0)

 
Deixar comentário
12h59
No RS, juiz é preso por suspeita de matar mulher que conheceu na internet
12h54
Mantega diz que alta no lucro de grandes empresas mostra que economia não está parada
12h49
Dupla nega xingamentos a Aranha, mas segue na lista de suspeitos da polícia
Artigo do dia
Ruben Figueiró
Casas de tolerância
Entrevista
Prefeito rebate críticas e diz que tem de resolver até o que é atribuição do Estado
Loteria
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 38 milhões no sábado