Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Campanha esquenta e ex-vice-prefeito troca socos e xingamentos com vereador

02 Advogado criminalista é assassinado com oito tiros neste sábado em Dourados

03 Após briga em família, menina de 12 anos revela que tio a estupra e avô faz denúncia

04 Reinaldo repudia boato e diz que é vítima de mais uma armação

05 Mãe faz o parto de filha adolescente dentro de carro na Avenida Afonso Pena

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

21/10/2012 08:47

Com posto da PM sem reforma, moradores precisam percorrer 100 km pra fazer boletim

Aumentar texto Diminuir texto

Eliane Souza, de Anhanduí

Arquivo/Amparim Lakatos
Foto feita no dia 25 de junho, durante operação policial no distrito para prender mentor do ataque

Desde a madrugada do dia 17 de junho desse ano, os moradores do Distrito de Anhanduí, que fica a 55 quilômetros de Campo Grande, estão sem poder registrar boletim de ocorrência, isso porque depois que um grupo depredou e incendiou o pelotão da Polícia Militar, ainda não foi providenciada reforma e nem mobília essencial como, por exemplo, computador para registros.

Um morador que prefere não se identificar afirma que procurou o posto policial para fazer um boletim de ocorrência, mas foi informado que teria que fazer apenas em Campo Grande. Na unidade apenas orientações ou ainda atendimento de chamadas para ir ao local. “Não acredito que o Governo deixou a gente assim, sem pode comunicar ao menos um furto. Se quiser fazer vai pra cidade (Capital) ou usa internet, mas eu não tenho”, desabafa.

Levando em conta que o distrito fica a mais de 50 quilômetros do perímetro urbano da sede, um morador que sair de Anhanduí para fazer boletim de ocorrência na Capital e retornar para seu local de origem vai percorrer mais de 100 quilômetros.

A reportagem foi ao Distrito de Anhandui no final de semana e tentou conversar com a guarnição que estava de serviço, porém os militares não deixaram que o prédio fosse fotografado internamente, isso porque poderiam se comprometer perante o comando deles. Enquanto a equipe esteve por poucos minutos na unidade policial foi possível verificar que ainda não foram recolocados os vidros quebrados, boa parte das paredes está com extensas rachaduras, uma das portas internas não fecha, a porta principal está bastante danificada e na parede frontal do pelotão há um grande buraco provocado pelo impacto do trator jogado contra o prédio.

O que chamou a atenção foi que o serviço de iluminação estava restabelecido e na cozinha havia uma geladeira e um fogão em condições de uso. Um ventilador portátil estava funcionando na recepção, bem como o telefone fixo. Em entrevista com moradores, a reportagem descobriu que o mínimo de condições de trabalho no local é graças ao voluntariado da comunidade e de um empresário de Campo Grande que tem empreendimentos no distrito.

O eletricista Cláudio Cardoso foi quem restabeleceu o sistema de fornecimento interno de energia elétrica. Ele conta que um empresário de Campo Grande que tem um haras e um posto de combustível na cidade o enviou para a unidade policial para que fizesse troca da fiação que ficou derretida com o fogo. “Ganhei uma gratificação dele (empresário) por isso. Depois voltei lá por conta própria e fiz mais uns serviços”, conta.

Foi informado para a equipe do Midiamax que a sujeira do pelotão policial provocada pelo vandalismo do dia 17 de junho foi retirada por militares plantonistas e também pessoas da comunidade. Um morador que tem uma máquina de limpeza de alta pressão fez gratuitamente a lavagem das paredes e do piso. O ventilador portátil que fica na recepção também foi doação, bem como colchões para alojamento dos plantonistas.

Joana Barbosa de Almeida, 60 anos, mora no Distrito de Anhandui há 33 anos com o esposo Manoel Candido, de 80 anos. Ela conta que acompanhou de perto a luta dos policiais nos primeiros 15 dias depois que a unidade militar sofreu o atentado. “Esses meninos ficaram sem lugar e mesmo assim continuaram atendendo a gente por amor ao nosso patrimônio”, garante a comerciante que tem um pequeno bar.

“Primeiramente Deus e depois esses meninos por nossa segurança. Já era pra ter arrumado este posto policial pra eles trabalharem e a gente também ter os serviços de volta”, apela Dona Joaninha, como é mais conhecida a comerciante dona do bar.

O caso de vandalismo contra o pelotão

Segundo a Polícia Militar, três policiais estavam de plantão no posto policial de Anhandui quando foram acionados durante a madrugada, por volta das 2h, e prenderam quatro vândalos por desordem. A guarnição então se deslocou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga para conduzir os presos e o posto policial ficou vazio.

Em represália a prisão dos comparsas, parte do bando que tinha conseguido fugir incendiou o posto policial e um rapaz jogou um trator contra o prédio. Uma guarnição dos bombeiros também foi chamada, mas quando chegou ao local a estrutura do posto já estava comprometida. Toda mobília foi queimada, inclusive pertences dos policiais que estavam de plantão. O computador utilizado para fazer boletins de ocorrência e levantamentos nos sistemas Sigo e Infoseg ficou queimado e até hoje não foi providenciado outro.



Comentários (13)

22/10/2012 10:26
dario
o giroto vai reformar o pelotao depois da eleição. e o bernal? bernal é 11 kkkkkkkkkvamos acordar meu povo sul matogrossense .povo hospitaleiro.

22/10/2012 10:22
dorival frança junior
no indubrasil é a mesma coisa. posto policial com um policial ,sem viatura quando tem ocorrencia sai viatura de outra area pra atender la isso quando vai . o lugar esta abandonado isso que aqui tem bastante industria e fica distante da capital.faça uma materia la tambem midiamax.e ve a felicidade da população com a respeito da segurança publica. .

21/10/2012 19:30
roberta
AS VIATURAS ESTÁO CAINDO OS PEDACOS, NAO EXISTE CARRO QUE AGUENTA RODAR 24 HS POR DIA 365 DIAS POR ANO SEM MANUTENCAO. FIM DE ANO AINDA PROXIMO AS ELEICOES SEM CHACES. NEM PELOTAO NEM ARMAMENTO NEM VIATURA NEM NADA ESQUECAM. O GOV DEVE SIM REFORMAR E DEPOIS COBRAR DOS AUTORES POIS A POPULACAO NAO TEM TEMPO PRA ESPERAR, PAGA IMPOSTO EM DIA QUER SERVICO DE URGENCIA EM DIA.

21/10/2012 19:27
Alessandra
Isso reflete a importância da Segurança Pública no nosso estado. É essa a situação com as viaturas também, os policiais estão trabalhando em péssimas condições. Só quem é cego que não vê a situação da segurança no nosso estado.

21/10/2012 16:34
CLEIA REZENDE
Sou moradora aqui no Distrito, e neste Posto Policial nunca registral B.O se acontece alguma coisa...temos que ir pra Campo Grande, até então não sei porque tem este posto...tudo que dependemos tem que procurar em Campo Grande....

21/10/2012 14:25
Nelson
No nosso estado a PM não é tratada com carinho no Orçamento, é uma pena.

Próximo 
22h33
Leitores enviam fotos de alagamentos e estragos que chuva fez em Campo Grande
22h16
Acidente entre moto e carreta que transitavam no mesmo sentido mata tratorista na Capital
20h30
Agora: Um morre em acidente na Avenida João Arinos em Campo Grande
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública