Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Traficantes arrendam lava-jato em Campo Grande para sediar 'operações' da quadrilha

02 Justiça Eleitoral barra candidatura a deputado estadual de ex-comandante da PM

03 CONFIRA: 10 concursos confirmados devem oferecer 1,9 mil vagas até o fim do ano

04 Ex-deputado do PSB desiste de candidatura, abandona Nelsinho e declara apoio a Delcídio

05 Cinco são presos com mais de 800 quilos de maconha em lava-jato no Centro da Capital

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

19/09/2012 13:35

Fogo subterrâneo: fenômeno assusta indígenas em Panambizinho

Aumentar texto Diminuir texto

Dourados Agora/WM

Divulgação
Em contato com oxigênio, área pega fogo.

Fenômeno conhecido pelos indígenas de Panambizinho como Ivy-Kay (fogo na terra) assustou a população naquela aldeia localizada no distrito de Dourados (MS). Ontem, um menino pescava tranquilamente quando ouviu uivos de um cão que tinha acabado de sofrer queimaduras graves.

O garoto acionou lideranças, que se depararam com uma pequena área onde surgiram várias rachaduras que soltam uma fumaça esbranquiçada com alta temperatura e incendeia em contato com o oxigênio e o mato seco.

O cão não foi o único a ficar ferido. Conforme informações, pessoas que estiveram ali para ver o que estava ocorrendo, também queimaram os pés e os calçados. Segundo o agente de saúde daquela localidade, Reginaldo Aquino da Silva, fenômeno semelhante ocorreu ali há cerca de 40 anos.

Ontem, alguns chegaram a suspeitar de que poderia haver uma válvula de escape de alguma fenda vulcânica, já que a região de Dourados estaria sobre estrutura semelhante.

O fenômeno ocorre naquela zona de turfa (emaranhado de restos de vegetação que queima mesmo se houver umidade), de lençol freático rebaixado mediante técnica de agricultura conhecida como “espinha de peixe”.

No local, há cerca de uma semana, indígenas teriam ateado fogo para limpar a área. O incêndio continuou abaixo da superfície, não encontrou água e, devido ao tempo seco, passou a consumir o material orgânico que, conforme o geólogo, vem se depositando há cerca de dez mil anos naquela localidade.

Com a queima deste ‘humus’, sobra espaço na terra que acaba rachando e liberando os gases e fumaça. O geólogo diz que eles estão, no momento, em uma área de risco e que, se alguém pisar ali, pode sofrer queimaduras.

Na superfície da terra, em contato com o oxigênio, o incêndio pode ainda se alastrar. Agora é esperar a chuva, para apagar o fogo subterrâneo que consome aquela área na Aldeia Panambizinho.

Comentários (0)

 
Deixar comentário
Charge do dia
Charge
Galeria
Revista Cultural MS
Artigo do dia
João Campos
CNI, um exemplo de fé
Entrevista
Especialista adverte que prática de exercícios sem acompanhamento pode levar à morte
Loteria
Aposta única leva mais de R$ 29 milhões na Mega-Sena
Bastidores
 
Origem
 
Cabresto
 
Tudo igual
 
Calado
 
Órfãos
 
Militância
 
Currículo
 
Amigos
 
Álbum
 
Poesia
Jornais
Manchetes do Dia
Indicadores
Dólar R$ 1,801
Dólar R$ 1,882
Dólar R$ 1,882
Soja (60Kg) R$ 47,48
Arroba vaca R$ 85,00
Arroba boi R$ 91,00