Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Amigos de “Alexandrinho” fazem vigília na Santa Casa e promovem culto

02 Rapaz morre ao colidir em cone na Avenida Guaicurus e perder o controle da moto

03 VÍDEO: Jovem morre e dois ficam gravemente feridos depois de Civic capotar em cidade de MS

04 Procuradoria eleitoral manifesta-se pela impugnação da candidatura de Bernal

05 Duas crianças são atropeladas em locais diferentes e uma delas está em estado grave

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

26/08/2012 09:48

Justiça Federal de Mato Grosso do Sul proíbe novas licenças para hidrelétricas no Pantanal

Aumentar texto Diminuir texto

Éser Cáceres


Wilson Rocha (MPF-MS)
Licenças para hidrelétricas no Pantanal estão suspensas com liminar da Justiça Federal de MS

A Justiça Federal proibiu na última semana a emissão de licenças ambientais para instalação de hidrelétricas na BAP (Bacia do Alto Paraguai). Com uma liminar, estão suspensos todos os processos de licenciamento de empreendimentos hidrelétricos na planície pantaneira de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

A exigência é de que novas licenças somente sejam avaliadas e concedidas pelos órgãos responsáveis após a conclusão da Avaliação Ambiental Estratégica de toda a BAP seja realizada. O pedido da liminar foi feito pelos Ministérios Públicos Federal e Estadual de Mato Grosso do Sul na Justiça Federal de Coxim, a 243 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), os empreendimentos hidrelétricos já em funcionamento continuarão operando, mas não terão as licenças renovadas até que a questão se resolva.

O questionamento de ambientalistas com relação à instalação de hidrelétricas no Pantanal envolve o impacto cumulativo, que não estaria sendo levado em conta com as avaliações individuais dos projetos de usinas que usam rios da região para gerar energia elétrica.

Segundo a decisão judicial, existe “prova inequívoca” de que os empreendimentos estão sendo instalados sem a observância das normas protetivas básicas. “Não há nenhuma razão plausível para se prosseguir sujeitando, por mais um dia que seja, o ambiente pantaneiro a riscos tão consideráveis”, avaliou a decisão judicial.

Caso a ordem seja descumprida, a multa prevista é de R$ 100 mil por licença expedida.

Ciclo das cheias ameaçado

No total, 126 empreendimentos hidrelétricos no entorno do Pantanal foram questionados com uma ação civil pública iniciada na 1ª Vara Federal de Coxim/MS pelos Ministérios Públicos Federal (MPF) e Estadual (MPE) de Mato Grosso do Sul.

Segundo pesquisadores, caso todos os empreendimentos fossem instalados, o ciclo das cheias no Pantanal seria alterado, provocando danos em todo o bioma, que depende do pulso natural das inundações.

O Pantanal é considerado Patrimônio Nacional pela Constituição Brasileira de 1988 e Patrimônio da Humanidade e Reserva da Biosfera pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura – UNESCO, desde 2000.

São alvo da ação a União Federal, os Estados de Mato Grosso do Sul e de Mato Grosso, Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Instituto do Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul (Imasul). (Com informações do MPF-MS)

Notícias relacionadas

20/08/2012
18h42 Governo autoriza construção de duas hidrelétricas no Sul do país
10h52 Ministério Público busca na Justiça suspensão de hidrelétricas no Pantanal
10/08/2012
22h00 Cientistas internacionais participam de evento sobre Áreas Úmidas em Cuiabá
01/07/2012
17h30 Área indígena sagrada vai virar hidrelétrica
18/06/2012
08h05 Para Dilma, Brasil conjuga crescimento, inclusão social e proteção ambiental
30/05/2012
14h18 Senado aprova MP que altera limites de oito áreas ambientais
20/05/2012
13h46 Criação de peixes em represas de hidrelétricas é alternativa de renda para ribeirinhos e operários
11/05/2012
17h30 Simpósio na OAB estimula discussão e alternativas para efeitos das hidrelétricas em MS


Comentários (3)

26/08/2012 23:55
José
Meus amigos...quem esta acabando com o pantanal são os grandes pecuaristas sem escrupulos que estão se instalando em busca de dinheiro rápido...ali é um ecosistema frágil e imprevisivel...tem gente até mudando o curso das vazantes e nao se preocupando em proteger os rios que ainda tem margem....

26/08/2012 11:46
Ailton Cruz
Parabens a justiça.Os nossos politicos estao querendo acabar com a unica coisa que temos o Pantanal.

26/08/2012 10:36
Márcio Fernando
Finalmente a justiça está fazendo o sacrifício do ambientalista FRANCELMO não tem sido em vão! Ninguém, em sã consciência, quer usinas no Pantanal, sejam hidrelétricas, sejam de álcool, porque todos nós sabemos que isso apenas propiciará o fim do bioma.

07h49
Marinha restringirá navegação na Baía de Guanabara na próxima semana
07h24
Associações fazem campanha contra hepatite C para pessoas acima de 45 anos
06h54
No Dia Mundial de Combate às Hepatites especialistas alertam sobre a doença
Entrevista
“Queremos fomentar o comércio e ajudar as associações a conquistar espaço”, diz presidente da Faems