Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Blogs

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 VÍDEO: Advogado dorme ao parar em semáforo e bombeiros têm que arrombar carro

02 Federal ‘atirou para matar’, diz polícia sobre homicídio de advogado em Dourados

03 Sem mandato, deputado não pretende acumular cargo federal e presidência do partido

04 Após barrar quebra de sigilo, Olarte tenta tirar juiz de ação que investiga cargo fantasma

05 Corpo de homem encontrado em avenida da Capital continua sem identificação

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

08/06/2012 16:55

Brasil concede asilo político a senador boliviano

Aumentar texto Diminuir texto

Agência Brasil/AG

senador boliviano aguradava decisão do governo na embaixada brsileira em La Paz

O governo brasileiro decidiu hoje (8) conceder asilo político ao senador boliviano Roger Pinto Molina, de 52 anos, líder da oposição no Congresso. O parlamentar boliviano estava refugiado na Embaixada brasileira em La Paz desde 28 de maio.

Em nota, o Itamaraty diz que concedeu o asilo a Molina “à luz das normas e da prática do Direito Internacional Latino-Americano e com base no Artigo 4.º, inciso X, da Constituição Federal”.

Molina fez o pedido de asilo político na semana passada. Ele alega sofrer perseguição por parte do governo de Evo Morales, por sua atuação em defesa dos direitos humanos. No entanto, Morales nega a acusação. O senador disse que a mulher dele, uma das três filhas do casal, e duas netas estão no Acre e as outras filhas e netos, na Bolívia.

Ex-governador do departamento (estado) de Pando, na fronteira amazônica com o Brasil, o senador é acusado por autoridades locais de irregularidades. Uma reportagem do jornal La Razón, de La Paz, diz que o senador tem pelo menos 20 processos na Justiça, nos tribunais de La Paz, Santa Cruz, Sucre e Cobija, que se referem principalmente a acusações de desacato, venda de bens do Estado e corrupção.

Na semana passada, autoridades do governo reagiram ao pedido de refúgio na Embaixada do Brasil. “Não há presos políticos ou perseguição política [na Bolívia], mas acusados de atos de corrupção e infrações penais. Se ele acredita que não cometeu esses crimes pode ficar feliz e se defender”, declarou o vice-presidente do país, Álvaro García Linera, à imprensa local. (Com informações da BBC Brasil)

Comentários (0)

 
Deixar comentário
17h33
Novo balanço da OMS indica 7.373 mortos por ebola na África Ocidental
12h14
China oferece mais de US$3 bi em empréstimos e ajuda para vizinhos
12h00
Panamá desmantela rede de traficantes ligados às Farc e a cartel mexicano