Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 MidiaMAIS

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Empresário é encontrado morto dentro de açougue no Bairro Caiçara

02 Homem dá dois tiros na ex-mulher e tenta se suicidar com disparo na cabeça em MS

03 Centenas de pessoas vão ao enterro de grávida morta pelo marido

04 Raio atinge casa, quebra parede e queima equipamento em bairro da Capital

05 CGU aponta improbidade e tráfico de influência de Mandetta durante mandato de Nelsinho

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

08/06/2012 16:55

Brasil concede asilo político a senador boliviano

Aumentar texto Diminuir texto

Agência Brasil/AG

senador boliviano aguradava decisão do governo na embaixada brsileira em La Paz

O governo brasileiro decidiu hoje (8) conceder asilo político ao senador boliviano Roger Pinto Molina, de 52 anos, líder da oposição no Congresso. O parlamentar boliviano estava refugiado na Embaixada brasileira em La Paz desde 28 de maio.

Em nota, o Itamaraty diz que concedeu o asilo a Molina “à luz das normas e da prática do Direito Internacional Latino-Americano e com base no Artigo 4.º, inciso X, da Constituição Federal”.

Molina fez o pedido de asilo político na semana passada. Ele alega sofrer perseguição por parte do governo de Evo Morales, por sua atuação em defesa dos direitos humanos. No entanto, Morales nega a acusação. O senador disse que a mulher dele, uma das três filhas do casal, e duas netas estão no Acre e as outras filhas e netos, na Bolívia.

Ex-governador do departamento (estado) de Pando, na fronteira amazônica com o Brasil, o senador é acusado por autoridades locais de irregularidades. Uma reportagem do jornal La Razón, de La Paz, diz que o senador tem pelo menos 20 processos na Justiça, nos tribunais de La Paz, Santa Cruz, Sucre e Cobija, que se referem principalmente a acusações de desacato, venda de bens do Estado e corrupção.

Na semana passada, autoridades do governo reagiram ao pedido de refúgio na Embaixada do Brasil. “Não há presos políticos ou perseguição política [na Bolívia], mas acusados de atos de corrupção e infrações penais. Se ele acredita que não cometeu esses crimes pode ficar feliz e se defender”, declarou o vice-presidente do país, Álvaro García Linera, à imprensa local. (Com informações da BBC Brasil)



Comentários (0)

 
Deixar comentário
10h24
Namíbia realiza primeira eleição na África com urnas eletrônicas
10h01
EUA: criança acha arma em sofá e mata a mãe com tiro acidental
09h44
Lava atinge primeira aldeia na Ilha do Fogo