Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas






Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Vítima de acidente fatal envolvendo carro e ônibus no macroanel é identificada

02 Homem esfaqueia amigo depois de brincarem de quem teria coragem de matar o outro

03 Mato Grosso do Sul perde uma área de free shop na fronteira e cota diminui em 2015

04 Em MS, sogros conseguem na Justiça tirar nora de apartamento após fim de relacionamento

05 Viatura acionada para atender à ocorrência de PM morto capota

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

11/07/2011 12:43

Pichações são ações pedagógicas de assalto, diz pichador

Aumentar texto Diminuir texto

Terra/AS

Grupos das mais diversas orientações políticas ou marginais usam os muros e patrimônios das cidades brasileiras para panfletar suas ideias ou para se comunicar com gangues rivais com mensagens que demarcam territórios. Mais recentemente, o vínculo da pichação com o crime deixou de ser latente, mas os muros seguem utilizados como espaço de "protesto", transgressão e "ações pedagógicas de assalto", como é o caso do coletivo Muralha Rubro Negra.

O grupo acredita que a transgressão é a única forma de conquistar mudanças."Todos os avanços que tivemos na sociedade foram por transgressão: oito horas de trabalho, lei Maria da Penha, Bolsa Auxílio, Reforma Agrária... As pessoas têm desafiar a lei para terem essas conquistas, e a gente vai na mesma linha, topa correr o risco, por uma questão de convicção, só para desafiar para que sejamos ouvidos, e as vezes tem que ser dessa forma imperativa", diz "João" (nome fictício), integrante do grupo que não quis se identificar.

O grupo atua na cidade de Porto Alegre desde 2007 com faixas, pinturas e outras formas de intervenção. O movimento nasceu durante uma política de "revitalização dos centros urbanos", que segundo João, reprimia catadores, camelôs e indígenas no centro da cidade, como explica

"Era um período em elegeram como problemas indigestos da cidade os moradores de rua, camelôs e catadores, com uma repressão bem forte", lembra. Ele diz foi planejada uma ação com estênceis em tamanho natural com essas figuras. O grupo diz que não possui vinculação política com nenhum partido e banca do próprio bolso dos integrantes suas ações.

João diz que as manifestações são realizadas "sem perguntar" em uma "ação pedagógica de assalto, de surpresa", afirma. "Acreditamos nessa forma porque, da mesma forma, não nos perguntam antes de colocar uma estátua ou outdoor (em espaços públicos). Devolvemos na mesma moeda, de certa forma, é um ataque, que não está voltado para agredir o patrimônio das pessoas, mas que traz um conteúdo pedagógico, uma pergunta, um questionamento, uma intervenção", explica João.

As ações não são consideradas ilegais por João, que cita o artigo 5ª, inciso 9º da Constituição Federal, cujo texto diz que "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença".

Recentemente, o Muralha Rubro Negra se aproximou de grupos de pichadores adotando o estilo de letra nas pichações como objetivo de "ingressar as pessoas naquela estética".

Prisão e lei

João diz que os integrantes já foram presos por pichar as margens do Arroio Dilúvio, que atravessa cidade de Porto Alegre, com uma mensagem relacionada a retomada do Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, com os dizeres: "Copa para os ricos, UPP para os pobres". "Fizemos a intervenção, mas fomos denunciados, presos e respondemos o processo por danos ao patrimônio", diz ele ao contar sobre a prisão.

Ele diz que a nova legislação que regulamenta e proíbe e venda de spray para menores de idade não vai pegar, porque combate os problemas de forma errada, e maiores de idade podem comprar para os outros. "Talvez esse controle funcione para prestar contas para a sociedade, mas isso não vai acabar a pichação. Eles atacam pelo lado mais frágil, mas não vejo eles construindo mais escolas, ou se preocupando em não privatizar as unidades de saúde. Com isso eles não se preocupam".



10h07
Tatuagem do Google destrava tela inicial de celular
10h07
Parte da Avenida Ernesto Geisel é interditada pela Agetran por causa de erosão
10h01
Resultados de sindicâncias sobre invasão na prefeitura da Capital devem ser divulgados nesta sexta
Entrevista
“Queremos fomentar o comércio e ajudar as associações a conquistar espaço”, diz presidente da Faems