Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Bastidores

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Articulistas






Blogs
 Alex Fraga

 Ana Cavalheiro

 Cozinha de Raízes

 Eugênia Amaral

 Falo Blogo Escrevo

 Festas e Eventos

 João Campos Online

 Papo de Pregão
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Acidente na Avenida Salgado Filho deixa quatro vítimas, dois adultos e duas crianças

02 Motorista de Porsche perde o controle e derruba poste em frente ao Belmar Fidalgo

03 VÍDEO: Meninas trocam socos e puxões de cabelo na frente de escola estadual da Capital

04 Policial bate e tomba carro estacionado em frente do 1º DP após confusão em festa

05 Globo erra português, vira piada na internet e pede desculpas

Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial
Polícia

02/05/2011 15:10

Agepen admite falha no presídio de Campo Grande, onde presos fizeram dez reféns

Aumentar texto Diminuir texto

Eliane Souza e Diego Alves


Capa: Alessandra de Souza e Interna:Divulgação

O diretor da Agência Penitenciária (Agepen), o coronel da Polícia Militar Deusdete de Oliveira foi questionado durante coletiva à imprensa sobre o fato de uma pistola ter parado nas mãos de Carlos Henrique da Silva, o Danone, que hoje tentou fugir do Presídio de Segurança Máxima, em Campo Grande. Ele disse que acredita que a arma tenha entrado fragmentada (em pedaços) e depois foi montada aos poucos.

“Tem 1.700 presos na Máxima e em média 600 a 700 pessoas passam durante visita. Fica difícil contralar tanta gente”, disse Deusdete.

Porém, o diretor da Agepen não comentou sobre o sistema de detector de metais, se está funcionando ou não.

Deusdete Oliveira não comentou durante a coletiva sobre a possibilidade da pistola utilizada por Danone tenha entrado na Máxima por meio de facilitação de algum funcionário. Limitou-se a dizer apenas que o caso será investigado.

Carlos Henrique da Silva, o Danone, que tentou fugir do Presídio de Segurança Máxima, na manhã desta segunda-feira, foi um dos líderes da rebelião de 2006, no mesmo local. Na época, motins também foram desencadeados simultaneamente em Dourados, Corumbá e Três Lagoas.

A tentativa

Nesta manhã, Carlos Henrique e o detento Adilson Pereira dos Santos pediram por atendimento de saúde e quando estavam sendo levados para o setor de saúde Danone esboçou tentativa de fuga em direção ao portão que dá acesso à rua. Um dos agentes acionou o apito e dado então alerta geral.

Portando uma pistola 635, Danone dominou dez pessoas, entre médicos, enfermeiros, professores e psicólogos encarregados de atendimento médico, e as levou para uma das salas do setor médico. A tropa de choque foi acionada e iniciado o processo de negociação que resultou na rendição dos detentos. Segundo o que levantou a Agepen, Adilson Pereira não teve ligações com a tentativa de fuga.

Após a rendição, Danone foi levado para a sede do 3º DP. Não foi divulgado se ele será transferido.

As informações repassadas pela polícia dão conta que ele tentou fugir do Fórum de Campo Grande em 2006, quando ia para uma audiência. Além disso, ele também já foi transferido para o Presídio federal de Catanduvas. (Colaborou Alessandra de Souza).

 

Notícias relacionadas

02/05/2011
13h11 Presos se rendem e acaba rebelião que fez dez reféns em Campo Grande
12h21 Tentativa de fuga de dois detentos teria motivado rebelião na Máxima
11h59 Rebelião no Presídio: Detentos fizeram 10 reféns na Máxima de Campo Grande
21h30
Quadrilha de traficantes tem esquema desarticulado pela Polícia Militar de Três Lagoas
20h00
PMA prende pescador transportando pescado ilegal em motocicleta
15h49
Família procura idoso de 75 anos que desapareceu na região do Tarumã em Campo Grande
Entrevista
Tráfico humano: MS tem 'tabela de preços' para mulheres de acordo com a cor, diz especialista
Charge do dia
Charge