Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Avião bimotor tem pane e faz pouso de emergência em Campo Grande

02 Universitária sofre sequestro na saída de faculdade e diz que viveu 'filme de terror'

03 'Sem ter o que comer', mulher se tranca com filhos e abre registro do gás para morrer

04 Cilada: servidor público com HIV usava perfil falso de garota 'provocante' para atrair garotos

05 Garoto de 12 anos admite que se prostituiu e servidor também responderá por estupro

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

06/01/2011 11:50

Morte súbita de bebê que dormia de bruços provoca alerta aos pais

Aumentar texto Diminuir texto

Hélder Rafael e Alessandra de Souza


Alessandra de Souza

Um bebê de sete meses morreu de parada respiratória na manhã desta quinta-feira (6) no bairro Jardim Uirapuru, em Campo Grande. Emily era filha de Elisângela de Souza Albuquerque (18), e de acordo com o relato da mãe à polícia, a criança dormia de bruços.

Por volta das 6 horas, Emily mamou no peito e dormiu ao lado da mãe. Cerca de 1h30 depois, ela notou que a filha teve refluxo e não se mexia mais. Ela chamou o Samu, mas a criança foi encontrada sem sinais vitais quando os socorristas chegaram à residência.

O delegado da 5ª DP, Paulo Henrique Sá, disse que o bebê tinha sinais de que era bem tratado e alimentado, e que o cartão de vacinação estava em dia. A mãe tinha vacinado a filha havia três dias, mas o delegado não crê na hipótese de que a imunização tenha provocado algum tipo de reação alérgica. Elisângela disse que a filha ficou um pouco enjoada depois da vacina e rejeitava ocasionalmente alguns alimentos, mas era uma menina alegre e saudável.

O fato chama a atenção para uma triste realidade: a morte súbita de bebês com até um ano. De acordo com a Pastoral da Criança, não há estatisticas mas acredita-se que as ocorrências sejam em torno de 1,0 por mil nascidos vivos.

A Sociedade Brasileira de Pediatria garante que a melhor posição para os bebês é dormir de barriga para cima. Isto reduz em até 70% os riscos de morte súbita, e a recomendação é baseada em estudos clínicos internacionais.

Mesmo assim, muitas mães têm receio de que os filhos se afoguem com leite, por exemplo. Nesses casos, recomenda-se fazer a criança arrotar antes de deitá-la. Bebês apressadinhos e que mamam rápido ficam com excesso de ar no estômago, o que provoca desconforto e pode levar a refluxos.

Se o bebê engasgar com o vômito, isto acontece menos de barriga para cima, pois ele consegue mexer o pescoço. De lado, ele não tem como se mexer e, se vomitar muito, respirará na poça de vômito.

Saiba mais: 10 dicas que as mães precisam saber sobre a amamentação

Para ajudar a divulgar a posição correta do sono, a Pastoral da Criança lançou campanha que tem como tema "Dormir de Barriga para Cima é mais Seguro". Confira as principais dicas:

Na hora de dormir

- Evitar o excesso de roupas e fraldas que possam dificultar os movimentos do bebê e superaquecer.

- Deixar os braços do bebê livres, para fora das cobertas, assim, evita-se que ele deslize na cama e fique com a cabeça embaixo das cobertas.

- Deixar a cama livre de almofadas, travesseiros, bichos de pelúcia e outros brinquedos que possam dificultar a respiração do bebê.

- A temperatura do quarto deve ser confortável para um adulto vestindo roupas leves. O bebê não deve parecer quente ao ser tocado.

Não exposição ao cigarro

- Os pais devem evitar a exposição do bebê ao fumo e fumaça. Bebês de mães que fumaram durante a gestação tem três vezes mais riscos de morte súbita do que os bebês de mães não fumantes.

Amamentação exclusiva até os 6 meses de idade

- O leite materno previne a morte súbita e protege o bebê contra várias doenças, como alergias, diarréias, resfriados e infecções urinárias e respiratórias. Mamar também desenvolve e fortalece a musculatura da boca e do bebê, melhorando a mastigação, o ato de engolir e a fala.

- Além disso, este é um momento muito especial entre a mãe e o bebê, que fortalece a relação entre mãe e filho e transmite segurança, carinho e o amor que ele precisa para se desenvolver bem. Até os seis meses, o leite materno é tudo o que o bebê precisa para ficar bem alimentado. Depois dessa idade, é preciso dar leite de peito e também outros alimentos. (Fonte: Pastoral da Criança)



Comentários (0)

 
Deixar comentário
19h12
Camionete estaciona em ponto de ônibus e obriga motorista a parar no meio da rua na Capital
18h30
Mulher vai à polícia após marido alcoólatra começar a vender bens para manter vício
18h03
FLAGRA: viatura da Polícia Civil estaciona em vaga de deficiente físico
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública