Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Manobra na saída de autoposto causa acidente em avenida de Campo Grande

02 Por quase nove horas, trio realiza arrastão em Campo Grande e fere a tiros uma das vítimas

03 Delcídio ameaça processar Azambuja, mas admite que há investigação no STF

04 Mensagem falsa sobre sumiço de criança no Aero Rancho invade WhatsApp em MS

05 Revista Veja afirma que Youssef incriminou Dilma e Lula; advogado não confirma

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

09/12/2010 10:15

Mulheres foram degoladas no bairro Tijuca por ‘ordem’ de detido no presídio de segurança máxima

Aumentar texto Diminuir texto

Celso Bejarano e Diego Alves

Alessandra de Souza

A estudante de Direito Regina Bueno França, 40 e a cabeleireira Cláudia de Araújo Mugnaine, 34, achadas mortas com sinais de degolamento no dia 1º deste mês, numa casa construída no bairro Tijuca, em Campo Grande, foram vítimas de uma trama planejada dentro do presídio de segurança máxima. Esse é um dos desfecho da investigação conduzida pela 6ª Delegacia de Polícia Civil que ainda aguarda resultados de exames periciais.

A Justiça determinou a prisão de três pessoas, sendo uma delas mulher, como implicadas no caso. 

Os corpos de Regina e Cláudia foram achados em cômodos diferentes da casa de Cláudia, no Tijuca. Elas estavam com fios de energia enrolados em seus pescoços.

De acordo com a polícia, as duas mulheres foram mortas porque uma delas, Regina, teria “dedurado” Éder Rampagne Castedo, 30, conhecido como Corumbá, que está preso. Éder estava evadido há 17 dias da Colônia Penal Gameleira, por crime de roubo a mão armada.

Regina, segundo a apuração policial, teria revelado o paradeiro dele à polícia. Daí, Corumbá foi recapturado.

Aqui, surge o envolvimento de Lorraine Rorys Silva, a Lola, 27, esteticista, que seria amiga de Cláudia, a cabeleireira. Lola era namorada de Corumbá e teria ficado sabendo que ele havia sido entregue à polícia por Regina.

Lorraine foi detida por determinação judicial, logo após prestar um segundo depoimento, na semana passada. Ela nega a participação mas confessa ter estado com Cláudia por volta das 19h do dia anterior ao crime numa padaria da Capital. Segundo ela, as duas se conheceram há 8 anos num centro espírita.

O marceneiro Cristian Rampagne Castedo, 34, irmão de Corumbá, foi detido como um dos homens que matou as mulheres. O parceiro dele, Weber de Souza Barreto, 23, está foragido, segundo a políicia.

A polícia detalha a investigação acerca do caso nesse momento, na sede da DGPC (Diretoria Geral da Polícia Civil). .(Matéria editada para acréscimo de informações às 11h05)

Notícias relacionadas

20/01/2011
12h30 Preso pelo caso das duas mulheres degoladas diz ter sido ‘pressionado’ a participar do crime
19/01/2011
14h20 Polícia prende quarto envolvido no caso das duas mulheres mortas degoladas
12/12/2010
15h40 Homem que teria ordenado morte de mulheres mesmo preso cumpria pena em cadeia 'errada'


22h49
Dois são baleados em bairro de Campo Grande
18h45
Funcionário de usina é agredido por colega em ponto de ônibus e diz não saber motivo de ataque
18h31
Mulher procura a polícia por causa de vizinhas que tocam ‘funk pesado’ durante a madrugada
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública
Charge do dia
Charge