Você está aqui

Tóquio e EUA reafirmam aliança militar contra 'ameaça' da Coreia do Norte

Após repetidas provocações da Coreia do Norte

O chefe do Estado Maior Conjunto dos Estados Unidos, o general Joseph Dunford, afirmou nesta sexta-feira que a aliança militar entre seu país e o Japão é "sólida como uma rocha" e reiterou o compromisso americano com a defesa de seus aliados.

"A natureza da nossa relação bilateral, especialmente a nível miliar, é sólida como uma rocha", disse Dunford durante uma reunião em Tóquio com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, que agradeceu o apoio dos EUA "nesta situação de ameaça da Coreia do Norte".

Antes de seu encontro com Abe, o general americano teve uma reunião com seu homólogo japonês, o almirante Katsutoshi Kawano, e ambos ressaltaram importância da cooperação em matéria de Defesa entre EUA e Japão para fazer frente à crescente tensão regional desencadeada pela Coreia do Norte.

"As repetidas provocações da Coreia do Norte, incluídos os lançamentos de mísseis, são totalmente inaceitáveis", expressaram Dunford e Kawano, segundo o comunicado divulgado pelo Estado Maior Conjunto das Forças de Auto-Defesa do Japão.

A visita de Dunford ao Japão ocorre após sua viagem a Coreia do Sul e China, em uma excursão pela Ásia com a qual pretende reduzir tensões bilaterais e regionais após a troca de ameaças entre Washington e Pyongyang na semana passada.

O clima de tensão diminuiu nos últimos dias, especialmente após o regime norte-coreano anunciar que "adiava" seus planos de bombardear águas próximas à ilha de Guam, no Pacífico, onde estão localizadas importantes bases militares americanas.

Durante sua visita a Seul, na última segunda-feira, Dunford se reuniu com o presidente Moon Jae-in, a quem disse que, embora o Pentágono esteja "preparado para uma alternativa militar", o objetivo de seu exército é apoiar "a diplomacia e a pressão econômica para a desnuclearização da península da Coreia".

Na véspera, o chefe do Estado Maior Conjunto dos EUA se encontrou com o presidente chinês, Xi Jinping, e funcionários do alto escalão das forças armadas da China, a quem transmitiu uma mensagem similar. 

Tópicos