Você está aqui

Eleição no Chile: Piñera e Guillier se enfrentarão no 2º turno

Com mais de 80% das urnas apuradas, ex-presidente se consolida como favorito

Os resultados parciais do primeiro turno da eleição presidencial do Chile, realizadas neste domingo, confirmaram os prognósticos, com o ex-presidente Sebastián Piñera na liderança. Com 84% das urnas apuradas, o centro-direitista contabilizava 36,6% dos votos, contra 22,64% do senador e jornalista Alejandro Guillier. Confirmando-se os números, os dois se enfrentarão no segundo turno, em 17 de dezembro.

A terceira colocada, a também jornalista Beatriz Sanchez, foi a grande surpresa do pleito, ao angariar 20,43% (dados preliminares). Todas as pesquisas indicavam que a esquerdista, que não tem experiência política anterior e concorreu com o apoio dos líderes estudantis, ficaria em torno de 10%.

A presidente Michelle Bachelet, que não apoiou oficialmente nenhum candidato no primeiro turno, em declaração após os resultados preliminares deu indícios de que pode se posicionar mais fortemente agora. “É chegado o momento da unidade de todos os chilenos e chilenas que desejam consolidar as transformações que encaminharam a nossa Pátria para ser uma sociedade mais justa. No segundo turno, veremos um #ChileMelhor”, escreveu no Twitter.

Calor e filas

Depois de uma manhã com ruas tranquilas e zonas eleitorais vazias, o pleito acabou sendo menos monótono do que o esperado. Apesar dos altos índices de abstenção – menos da metade dos eleitores compareceu às urnas –, ao longo do dia formaram se longas filas para votar em Santiago e houve registro de diversos casos de pessoas que desmaiaram enquanto aguardavam.

A votação chilena ainda é feita com papel e, como nestas eleições, além do presidente, foram escolhidos também deputados e conselheiros regionais, muitas pessoas tiveram dificuldades com as três cédulas distintas.  Até mesmo Piñera, favorito para assumir o cargo, se atrapalhou e teve que dobrar novamente o voto depois de sair da cabine.

Apesar da demora enfrentada nos centros de votação, no entanto, foram poucos os incidentes registrados. Ainda pela manhã, um grupo de estudantes da extrema-esquerda invadiu o comitê de Piñera, mas logo foi retirado do local. Um ônibus foi incendiado na região de Araucanía. Inicialmente, foi considerado que uma falha mecânica teria provocado o fogo, mas a polícia passou a investigar o caso como uma ação deliberada para impedir o transporte de eleitores. Ninguém ficou ferido.

Votos no exterior

Este ano, os cerca de 40.000 chilenos que moram fora do país puderam votar no exterior pela primeira vez. Os resultados preliminares apurados mostraram um cenário diverso do contabilizado internamente. Entre os eleitores no estrangeiro, Beatriz Sanchez liderou os votos, com 33,6%, seguida por Alessandro Guillier, com 31%. Piñera ficou em terceiro lugar, com 21,4%.

Tópicos