Você está aqui

Braço armado do Hamas pede continuidade de protestos contra Israel

'O inimigo pagará caro por sua agressão', disse o grupo

As Brigadas de Ezedin al Qasam, o braço armado do movimento islamita Hamas, pediram neste domingo (10) à população palestina que "ative todos os meios para resistir e opor-se à ocupação", assim como para continuar com a "intifada" que tentam impulsionar após o anúncio de Donald Trump sobre Jerusalém. As informações são da Agência EFE.

"O inimigo pagará caro por sua agressão, traição e criminalidade contra a nossa gente", disse o grupo armado em comunicado no qual advertiu que, durante os próximos dias, se demonstrará "a determinação da resistência armada".

Depois da declaração sobre Jerusalém como capital de Israel feita pelo presidente americano, Donald Trump, que rompeu com décadas de consenso internacional, o líder do Hamas, Ismail Haniya, pediu à população palestina que começasse uma "terceira intifada" para combater a decisão dos EUA.

Desde o anúncio de Trump, os protestos e os enfrentamentos com o exército israelense se propagaram pelos territórios palestinos ocupados e deixaram mais de 400 feridos.

Além disso, em Gaza quatro palestinos morreram durante a escalada de tensão, dois deles em enfrentamentos com o exército israelense e outros dois nos bombardeios da aviação contra infraestruturas militares do Hamas.

Tópicos