Você está aqui

Sem contrato, repasse da Santa Casa fica travado e paralisação continua

Dinheiro está com Prefeitura e não pode ser repassado

Com contratado vencido desde o dia 8 de dezembro, a Prefeitura de Campo Grande, gestora plena da saúde no município, fica impossibilitada de fazer o repasse para a Santa Casa de Misericórdia de Campo Grande. Sem pagamento, os profissionais de enfermagem mantêm, nesta terça-feira (10), a paralisação que teve início na tarde dessa segunda-feira (9). 

Conforme o diretor-financeiro do Siems (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), Sebastian Rojas, em reunião com representantes da categoria, do hospital e do Município, a secretária adjunta da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), Andressa De Lucca Bento, afirmou que a Prefeitura já está com o repasse, porém, não consegue liberar a verba por problemas em relação ao contrato, que ainda não foi renovado.

"Nos reunimos e a secretária adjunta da Sesau garantiu que a Prefeitura já tem o valor do repasse e só está resolvendo como será feito o pagamento porque tem a questão do contrato que terminou no dia 8 de dezembro e não foi renovado", explica.

Segundo a assessoria de comunicação da Sesau, a direção da Santa Casa sugeriu contrato temporário com validade de 90 dias. O objetivo, de acordo com as informações, é conseguir uma solução para a liberação do repasse. 

A reportagem do Jornal Midiamax tentou falar com a assessoria de comunicação da Santa Casa, mas não conseguiu retorno. Conforme o diretor-financeiro do Siems, a categoria continua com a paralisação, porém, os profissionais mantêm 30% do efetivo trabalhando.

Tópicos