Você está aqui

Região do Córrego Anhanduizinho tem maior incidência de leishmaniose em Campo Grande

Medidas, como uso de inseticida, ajudam no combate

Via WhatsAppOs bairros América e Lageado, que ficam na região urbana do Córrego Anhanduizinho, contam com a maior incidência de leishmaniose em Campo Grande. A pesquisa foi realizada pela médica veterinária, mestre em ciência animal, Prof. Juliana Arena Galhardo, com apoio da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul). Para mostrar os resultados, nesta quarta-feira (10) será realizada a mesa redonda “Leishmaniose visceral: discutindo um problema negligenciado”, às 19 horas no auditório da Famasul em Campo Grande.

Foram analisados 79 bairros da Capital, sendo que 8 deles apresentaram maior incidência da doença em humanos, são eles: América e Lageado (região urbana do Córrego Anhanduizinho), Cabreúva e Carvalho (Centro), Tijuca (Lagoa), Estrela Dalva, Margarida e Veraneio (Prosa). Estas regiões apresentaram as maiores incidências no período de 2007 a 2011, variando de 6,1/10.000 hab. a 11,22/10.000 habitantes.

Em situação oposta encontram-se os bairros Jardim Paulista, São Lourenço, Bela Vista, Glória, Itanhangá, Jardim dos Estados, São Bento, Núcleo Industrial, Carandá e Chácara dos Poderes. Estas regiões não apresentaram casos de Leishmaniose no período estudado.

Desde 2002, Campo Grande é considerada como área endêmica da doença em humanos e cães. “Considerando a realidade da leishmaniose visceral em Campo Grande, o impacto da diminuição da morbidade, ainda que gradual, significará que ainda que seja difícil a erradicação de vetores, é possível o controle da doença em humanos e animais configurando a longo prazo a diminuição da ocorrência da doença”, afirma Juliana.

Cuidados

A pesquisadora enfatiza que a são necessárias medidas associadas para o efetivo controle e prevenção da doença. “ É indispensável a realização de ações de controle do vetor, controle de reservatórios, saneamento ambiental e utilização de repelentes ou outras medidas de proteção individual. Quando se fala em controle de doenças veiculadas por vetores no Brasil, é impensável a utilização de alguma medida única pois temos todas as condições socioambientais para a proliferação de vetores e manutenção destas doenças”, afirma.

“Associado ao saneamento, recomenda-se o uso de inseticidas a base de deltametrina ou permetrina, tanto para o uso doméstico na forma de borrifação como na forma de repelentes individuais para cães (coleiras ou soluções top spot). Os inseticidas ambientais devem ser utilizados com muito cuidado pois podem causar intoxicações”, conclui.

Tópicos