Você está aqui

Trabalhadores da Eletrosul param em protesto contra privatização

Sindicato prevê demissões e contas mais altas

Os trabalhadores da Eletrosul do estado aderem o movimento nacional e paralisam as atividades nesta segunda-feira (16), a partir das 7h30. A Eletrosul é uma das subsidiárias da empresa estatal Eletrobras, que corre risco de privatização. O protesto deve ser feito em frente ao escritório da Eletrosul, em Campo Grande.

O diretor da Sinergia-MS (Sindicato dos Trabalhadores na Indústria e Comércio de Energia no Estado de Mato Grosso do Sul), Elvio Vargas, explica que as três fases da cadeia produtiva são a distribuição, geração e transmissão. A transmissora de energia elétrica no estado é a Eletrosul, controlada pela Eletrobras, que pode ser privatizada. De acordo com o diretor, há cerca de 50 trabalhadores da Eletrosul no estado e ainda não há previsão de greve. “Esta paralisação ainda não vai afetar a população. Estamos fazendo o protesto para mostrar que somos contra a privatização. Agora, se ela for aprovada, pode haver greve”, explica.

A paralisação da categoria faz parte da campanha “Energia Não é Mercadoria” da FNU (Federação Nacional dos Urbanitários) e do CNE (Coletivo Nacional dos Eletricitários). O movimento pretende pressionar o governo federal e os parlamentares que integram as comissões da Câmara dos Deputados quanto às consequências da privatização para os trabalhadores, para a população e para a economia.

O tema da privatização da empresa de energia foi discutido na última quinta-feira (12), em audiência pública na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Segundo o diretor da Sinergia-MS, a mudança irá precarizar os serviços da empresa, além da demissão dos funcionários e o aumento da tarifa. “Se privatizar, a Aneel já divulgou que vai subir 16%, além do aumento que tivemos recentemente. Quando você privatiza o serviço público, você tira o foco de atendimento de um serviço público, que é essencial e que é dever do Estado, e passa a uma empresa que visa lucro ”, diz.

Além do Mato Grosso do Sul, a Eletrosul está presente no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rondônia, Mato Grosso e Pará. Maior estatal federal de energia elétrica do Sul do Brasil, a Eletrosul dispõe de controle e participações em sete usinas hidrelétricas, dois complexos eólicos, uma usina solar, 44 subestações, uma conversora de frequência e cerca de 11 mil quilômetros de linhas de transmissão. Produz energia suficiente para atender ao consumo de aproximadamente 12 milhões de pessoas.

Tópicos