Você está aqui

Queimada ‘gigante’ iniciada na Bolívia forma cortina de fumaça no Pantanal

Há uma linha de fogo de 3 quilômetros

  • Coluna de fumaça é vista a vários quilômetros (Foto: Divulgação/3º Grupamento de Bombeiros)
  • Militares partiram à pé para fazer o combate das chamas (Foto: Divulgação/3º Grupamento de Bombeiros)

Um incêndio de grandes proporções atinge a Planície do Pantanal, a aproximadamente 450 quilômetros de Campo Grande. Na tarde da terça-feira (10), militares do Corpo de Bombeiros e da Marinha fizeram um sobrevoo de helicóptero na área e foi constatado que o fogo começou em território boliviano. 

Conforme o Corpo de Bombeiros, o voo teve o objetivo de traçar estratégias para o combate.  Foi possível avaliar a dimensão da área atingida e o comportamento do fogo na vegetação. No momento há uma linha de fogo de aproximadamente três quilômetros de extensão que se inicia bem próximo ao Canal Tamengo, seguindo em direção ao norte de Corumbá.

Na manhã desta quarta-feira (11), militares foram de barco até a região do Tamego e de lá, seguiram a pé até em área das chamas. O trabalho é difícil de ser realizado, pois exige além de resistência física, perigos naturais do terreno como cobras, abelhas entre outros.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, as chamas mais distantes da cidade estão bem próximas do Rio Paraguai que se extinguira naturalmente nesse obstáculo natural. As chamas próximas do Canal do Tamengo que preocupam no momento, pois ainda existe grande vegetação para chamas. Por conta dessa situação, uma grande coluna de fumaça atinge a região. 

Realmente o fogo começou no território boliviano e adentrou nos limites do Brasil, como estamos na época da seca do Rio Paraguai , toda essa área que ficava alagada , com a seca produziu uma grande quantidade de material combustível  (vegetação ) o que fez que a queima lenta e gradual da vegetação tomasse essas proporções nesse período de Janeiro , o que é atípico na região pantaneira pois é o período das chuvas.

De acordo com dados dos sistema de monitoramento do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), foram registrados neste ano, em Corumbá, 140 focos de queimadas. O total do Estado foi de 186 focos. 

Tópicos