Você está aqui

Greve geral do dia 30 de junho deve durar 48h, dizem organizadores

Paralisação deve acontecer em todos os estados

A greve geral programada para dia 30 de junho deve durar no mínimo 48 horas, segundo as lideranças das centrais sindicais de Mato Grosso do Sul. A paralisação será simultânea com os demais estados da federação. Assim como a greve geral que aconteceu em maio, a manifestação é um protesto às reformas previdenciária e trabalhista, que continuam em tramitação no Congresso Nacional.

Os líderes sindicais, que fazem parte do Comitê Estadual Contra as Reformas, se reuniram nesta segunda-feira (5) para traçar estratégias do movimento do dia 30 de junho. Para Elvio Vargas, um dos líderes do comitê, as reformas dificultação a vida dos trabalhadores. “São eles que pagarão essa conta”, enfatiza.

Segundo Estevão Rocha, diretor da Força Sindical e integrante do comitê, afirma que a greve pode se estender por 5 dias. “Se não houver situação de gravidade com a população brasileira após 48 a 72 horas, vamos estender para cinco dias. Já estamos convocando todos para essa paralisação geral por um prazo mínimo de 48 horas em todo Mato Grosso do Sul, da mesma forma que será feito nos demais estados da federação”, explica Estevão.

Fórum – Neste sábado (10) o Sindjufe/MS e o Comitê Estadual Contra as Reformas realizam em Campo Grande o Fórum Estadual Contra as Reformas Previdenciária e Trabalhista, a partir das 14h na Câmara Municipal.

Entre os palestrantes estão o procurador do Ministério Público do Trabalho, Paulo Douglas Almeida de Moraes e Guilherme Pfeifer Portanova. O senador Paulo Pain (PT/RS) fará uma participação online no evento.

Tópicos