Você está aqui

Apaixonada pelo Natal, Telma mantém tradição da decoração com um espírito lúdico

Para a artesã, é importante manter o hábito do Natal

  • Na sala, o clima do Natal toma conta do espaço - Foto: Cleber Gelio
  • O encanto do Natal está logo na entrada - Foto: Cleber Gelio
  • Cada detalhe também traz uma história - Foto: Cleber Gelio
  • Telma faz coleção de decoração natalina - Foto: Cleber Gelio
  • A cada ano, ela faz uma nova decoração com os mesmos enfeites - Foto: Cleber Gelio
  • Badulaques natalinos estão espalhados por toda a casa - Foto: Cleber Gelio
  • Um dos xodós de Telma é a árvore de Natal que ela colocou o título de "Por Onde Andei" - Foto: Cleber Gelio
  • Calendário natalino - Foto: Cleber Gelio
  • Árvore em velcro que Telma fez para a neta de 5 anos - Foto: Cleber Gelio
  • Para este Natal, Telma confeccionou uma boneca de pano para compor a decoração da sala - Foto: Cleber Gelio
  • Com valor sentimental, o dragãozinho, presente da filha Beatriz, ganhou lugar especial na árvore - Foto: Cleber Gelio
  • Dragão de desenho animado é especial para Telma - Foto: Cleber Gelio
  • Mas outros personagens de pelúcia também ganham destaque na árvore de Natal - Foto: Cleber Gelio
  • Presépio veio de Assunção - Foto: Cleber Gelio
  • Foto: Cleber Gelio
  • Foto: Cleber Gelio
Telma leva dias para deixar tudo arrumadinho (Foto: Cleber Gelio)

A guirlanda na porta de entrada anuncia que o Natal está chegando. E na casa da artesã Telma Ferelli, 56 anos, os enfeites natalinos já tomam conta de toda a sala. Apaixonada por este clima de final de ano, ela sempre monta uma decoração cheia de lembranças e significados.

“Esses dias ouvi algo que faz muito sentido para mim, que cada objeto escolhe onde vai ficar, a gente é só um meio que vai conduzi-lo até lá”, diz Telma. E, de fato, ela arruma tudo com muito cuidado e sem pressa, e até ficar tudo arrumadinho, levam alguns dias. Mas Telma faz questão de colocar pessoalmente cada detalhe em seu devido lugar.

Um dos xodós de Telma é a árvore que ela mesma intitulou como “Por Onde Andei”, na qual a artesã pendurou, entre uma bola e outra, objetos e pelúcias que trouxe de viagens ou de lugares por onde passou. Cada pedacinho dela, de alguma forma, tem uma lembrança muito boa e uma história para contar.

Neste ano, presépio que ela trouxe quando viajou para Assunção, capital do Paraguai, foi montado no chão. "Tenho ele há 5 anos, sempre arrumei um espaço mais protegido pra ele, mas esse ano queria dar a ele este ar de proximidade", completa Telma.

A artesã é colecionadora de presépios e casinhas de Natal e por onde passa, traz um de recordação e para compor a decoração do próximo Natal. Na sala da casa dela, esses enfeites ocupam boa parte da parede.

Mais da metade da sala foi tomada pela decoração provisória e os móveis que antes faziam parte do espaço, precisaram ser ajeitados em outros cômodos da casa. Mas para Telma, tudo isso vale muito a pena.

“Essa coisa lúdica precisa ser preservada, se não cultivarmos os sonhos, o que mais vai nos sobrar neste mundo doido?”, questiona a artesã.

Família reunida

E neste ano, Telma tem um motivo mais do que especial para encher a casa de bolas, árvores, gliter e Papai Noel. Depois de muitos anos, a família Ferelli estará completa no Natal de 2017. Os cinco filhos, genro, noras e netos estarão juntos para a ceia. “Vai ser uma grande festa, muita brincadeira, bagunça, estou muito feliz, Natal é isso”, declara.

Mesmo com os filhos todos grandes – o mais velho com 34 e a caçula com 13 anos -, a artesã faz questão de manter vivo o espírito natalino e, inclusive, confeccionar alguns enfeites. No pé da árvore menor, uma boneca de pano negra, que ela mesma fez, vem com o vestido rosa combinando com as toalhas e outros detalhes da decoração.

Mas a obra de arte que ela mais está ansiosa para que seja usada é a árvore de natal feita de velcro, que ela fez para a neta de 5 anos, que vem do Ceará para passar a data com a vovó.

E junto de cada enfeite, Telma coloca os sentimentos que deseja para o próximo ano: paz, amor, perdão. “Acho que toda casa deveria ter enfeites e decoração”, ressalta.

Tópicos