Você está aqui

Com clima de deserto, procura por 'amizades sinceras' que tenham piscina aumenta

Em tempo de calor de 37° C, quem tem piscina é rei

  • Interesse por amizades com piscina realmente cresce no calor e vira até meme (Reprodução)

Que mané novo Iphone X, o quê! Ostentação de verdade é ter piscina em casa, principalmente quando lá fora o termômetro marca 37° C. É bem o caso de Campo Grande nesta semana, a propósito, quando a sensação térmica pode chegar aos 40° C, de acordo com a previsão do tempo. Talvez por isso esteja ocorrendo um fenômeno interessante: o aumento da procura por 'amizades sinceras', especificamente com pessoas que tenha piscina em casa, um negócio completamente desprovido de interesse e segundas intenções. Se é que o leitor entende!

Renato cuidando bem da piscina, xodó dos amigos e família (Arquivo pessoal)

Porém, existe a dor e a delícia de ter piscina em casa. O assédio costuma ser grande e postar nas redes sociais fotos enquanto se mergulha normalmente vem seguido de comentários como "da próxima eu vou" e até alguns mais recalcados, como "nossa, nem chama os amigos". É assim mesmo. A vida de dono de piscina não é fácil e é cheio de cobranças.

"Aqui em casa tem piscina e a gente sempre ouve umas indiretas pra convidar algumas pessoas que nem conhecemos direito pra cá no fim de semana. Já caí nesse canto da sereia, mas daí o pessoal vinha e começava a trazer mais gente que eu não conhecia... Dei um basta e não chamo mais ninguém", conta o administrador Eduardo Brandão. "Também deixei de postar imagem da piscina, para ver se o pessoal me deixa em paz", complementa.

Fim de festa

No condomínio onde mora o jornalista Renan Gonzaga, 27, a piscina era uma espécie de 'Meca' dos amigos. "Fim de semana e a gente juntava a galera pra mergulhar, mas desde o fim de 2015 a festa acabou, simplesmente porque a a área de lazer se tornou um 'Piscinão de Ramos'. Vinha gente de todo canto pra mergulhar, era impressionante. Daí o pessoal do condomínio votou para que somente moradores pudessem usar", conta o jornalista.

Renan e os amigos nos tempos áureos de piscina liberada (Foto - Arquivo pessoal)

.

Mesmo com a proibição, Renan relata que até hoje um ou outro amigo cita a piscina do condomínio, na tentativa de 'dar um perdido'. "Daí eu tenho que explicar que o condomínio não permite mais, porque o pessoal exagerou e o lance saiu do controle", conta.

Mas há para quem ter a casa cheia de amizades 'sinceras' não é exatamente um problema. Como o empresário Renato Heimback, 32, que sempre que pode chama a galera pro rolê.

"Desde muito tempo atrás a gente faz churrasco e é de boa, gosto de casa cheia. É claro que vão mais os amigos, íntimos, mas sempre tem um ou outro que aparece no meio. O único problema é que eu não tenho tido muito tempo, mas o pessoal chega, mesmo. Até de noite rola mergulho", conta o empresário.

"Se vira nos 30"

Quem não tem cão caça com gato, já diz o dito popular. Foi o que a designer de interfaces Ana Elisa Naveira, 30, fez uns anos atrás quando viu uma promoção de piscina de plástico num super mercado, no exato momento em que seguia para a casa de um amigo com quintal generoso.

Ana Elisa e os amigos usaram criatividade para fugir do calor (Arquivo pessoal)

.

"Eu estava indo para a casa de um amigo à noite e parei para comprar umas bebidas. Foi quando vi que a piscina de 6 mil litros estava bem barata. Comprei e a gente encheu no quintal da casa dele", conta. "Demorou demais para encher, só ficou pronta depois de meia noite. Mas no dia seguinte a gente voltou lá. Ela ficou armada por uns dois, até que a mãe dele pediu para esvaziar", diz. "Acho que queria que a gente saísse da casa dela", brinca.

Segundo a designer, o assédio também existe com quem tem piscina de plástico, tanto é que ela ficou passando de mão em mão por um bom tempo. "Muita gente pede emprestada e agora o lance é sempre encontrar alguém que tenha quintal grande pra gente poder encher d´água. Teve um amigo que montou e depois pegou a água para lavar a casa, quintal, banheiro. Tem que reaproveitar, né? Nesse calor todo negócio é válido", brinca.

Manual de etiqueta

Diante de uma realidade na qual há tanta gente folgada, existe algum manual de etiqueta para amenizar o protocolo constrangedor - mas, às vezes, necessário - de se convidar para um mergulho sincero na piscina? Provavelmente, mas é preciso abrir a carteira.

"As pessoas têm que entender que não existe almoço grátis. A piscina requer cuidados, usa produtos químicos caros para se manter limpa. Eu acho que quem se oferece pra um mergulho tem que ter em mente que não dá pra chegar na casa dos outros de mãos abanando, é folga demais. Quando for propor o rolê, tem que se oferecer ao menos pra levar a cerveja, né?", conclui Brandão.

Tópicos