Como se dirige mal nesta cidade!!!

De longe sabemos o quanto esta cidade que sempre referimos como sendo uma província, se aplica em gênero, número e grau. Desde os primeiros momentos da experiência de se dirigir logo ao raiar do dia, começa com situações altamente desagradáveis, dissimuladas e de profunda falta de respeito com o próximo.

Esta falta de respeito da qual me refiro vai de encontro a diversos setores da sociedade. Começo inicialmente pelo setor publico, citando diversos exemplos: imaginando que a buraqueira que já ganhou fama nacional, ainda persiste, também nos deparamos com a falta de sinalizações horizontais, "aquelas tão belas faixas no asfalto que vemos em filmes ou cidades melhores cuidadas, lembram-se delas?” Ou crateras se desmoronando por administrações e administrações e bradadas para a sua reforma como lema de inúmeras campanhas passadas. Ledo engano de quem acreditou. Isso quando não nos deparamos com prejuízos em nossos carros por ter passado por arapucas da qual estamos agora dirigindo praticamente só olhando para elas ou procurando por menos danosos buracos para se passar e prestando menos atenção ao próprio trânsito.

Quantos motociclistas cada vez mais se esbaram pelos corredores de hospitais públicos vitimados pela enxurradas de infortúnio por ter passado pelo mais novo ou mais velho buraco e que irão levar cicatrizes para o resto de suas vidas por inconsequencias administrativas.. Quantos motoristas de ônibus por exemplo que se ocupam de 2 faixas para parar e pegar seus passageiros cuja vaga também foi ocupada por motoristas desavergonhados. Ou estacionar na esquinas atrapalhando a visão dos demais em ruas contrarias. Ou mesmo na maior cara dura atravessar em pleno centro na maior frequência em contra-mão (ex.Av Mato Grosso com a Brasil).

Na verdade aqui nesta cidade desaprendemos a dirigir. Quando se trafega em São Paulo, por mais congestionamento que se tenha mas num trânsito normal, não se passa por um décimo do estresse que se passa aqui. Sinal para mudar de faixa então, era coisa do passado ou de filme. A quem culpar? Ao meu ver falta de um órgão que precisa novamente a ensinar os motoristas que ou receberam suas carteiras e já se esqueceram como se dirige de forma racional ou foram forçados a tal. Outro exemplo clássico quando se observa alguns motoristas em suas camionetes que parecem estar trafegando em suas propriedades rurais. Falta na verdade o órgão público fiscalizando e reeducando a todos sem necessariamente tendo que punir com multas, mesmo porque a qualidade altamente irregular das vias, somadas aos buracos, a falta de semáforos no centro da cidade para pedestres, etc,etc.etc, daria sim como interface um motivo para processá-los por esta falta de segurança de que nos oferecem. Mais um exemplo quando numa delegacia central, que não mais deveria estar numa rua de intenso movimento e em horário de pico, no centro da cidade, vez por outra, vemos cones colocados deliberadamente e que ficam por ali esquecidos em horários de pico por horas atrapalhando um movimento já caótico em nossas ruas.

Quando se olha por cima, de um edifício por exemplo, pensa-se que os motoristas estão bêbados, mas não; estão, ou cometendo irregularidade ou desviando de buracos traiçoeiros. E quanto as buzinas? No Egito ou na India a poluição beira o insustentável, aqui caminhamos para isso. Isto se deve por conta de umas disputas em ultrapassagens, onde a palavra gentileza, deve ser substituir em alguns casos pela palavra: absurda ignorância em quaisquer nivel cultural, onde a tal buzina torna-se sim necessária.

Acredito que tudo melhora de cima para baixo, ou seja, nossos novos administradores fazendo o seu papel e de nos dar vias decentes, sinalizando de forma responsável e reeducando com campanhas urgentes o nosso povo, que se esqueceu de como se dirige numa cidade da qual dispensa a fama de ser uma província. Victor Anache Ferzeli - cirurgião-dentista . victor@ferzeli.com.br

App MidiaMax disponível para Download

Fique conectado a partir do seu celular!

Clique e faça download agora mesmo