Você está aqui

MS registra o melhor resultado nas exportações de carne bovina desde 2014, diz Famasul

11,8 mil toneladas

Apesar da atual conjuntura preocupante na pecuária de corte brasileira, Mato Grosso do Sul vem registrando números favoráveis nas vendas internacionais de carne bovina in natura. De acordo com os números da Secex – Secretaria de Comércio Exterior, apurados pela equipe do Departamento de Economia do Sistema Famasul, o Estado exportou, em março deste ano, 11,8 mil toneladas, o maior resultado registrado desde outubro de 2014.

Além disso, a receita com as vendas atingiu aproximadamente US$ 49 milhões no período analisado, com preço médio de US$ 4.142 a tonelada. Mais do que aumentar as exportações, Mato Grosso do Sul se consolidou e conquistou países exigentes como os Estados Unidos.

As primeiras vendas aos americanos aconteceram em setembro de 2016, quando foram negociadas 127 toneladas de carne bovina in natura. Em sete meses, as comercializações alavancaram, subindo 770%, contabilizando em março deste ano, mais de 1,1 mil toneladas vendidas.

 “Os Estados Unidos são uma referência em exigência sanitária e, por isso, apesar de ser um volume ainda pequeno, esta negociação representa uma vitrine para a carne produzida em Mato Grosso do Sul, ainda mais no atual patamar do setor”, reforça a  importância do presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito.

Com o avanço nas vendas, Estados Unidos ocupa, atualmente, a sexta posição no ranking nacional de exportações. Segundo os números da Secex, a receita das vendas externas de carne bovina in natura acumulou, em março, US$ 4,6 milhões. Cada tonelada foi vendida a uma média de US$ 4.139.

 “É importante observamos que a tonelada registrou, em um curto espaço de tempo, um incremento de 4,7%. Este resultado é a comprovação do trabalho desenvolvido pelo produtor rural ao longo dos anos, que investiu em tecnologia e em gestão, se profissionalizando”, afirmou Adriana Mascarenhas, gestora do departamento econômico do Sistema Famasul, destacando também: “O produtor vê hoje sua propriedade como uma empresa”.

O setor pecuário brasileiro vivenciou em março deste ano um dos mais tensos capítulos, quando uma operação de rotina deflagrada pela Polícia Federal abalou o mercado pecuário e fechou, mesmo que temporariamente, as portas para países importadores deste segmento pecuário.

Tópicos