Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 MidiaMAIS

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Capital terá novo shopping com padrão sofisticado e parque linear na Gury Marques

02 Motociclista é jogado para o alto e cai na base de torre de alta-tensão após colisão na Guaicurus

03 Empresário de transportadora usava veículos da empresa para fazer tráfico de drogas em MS

04 Valeu? Motoristas denunciam 'rali' na MS-352 e desmentem propagandas do governo de MS

05 Operação do Gaeco desmonta esquema de traficantes com carros de luxo na fronteira

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial

12/03/2014 23:50

Por 23 votos a 6, vereadores de Campo Grande cassam mandato de Alcides Bernal

Aumentar texto Diminuir texto

Juliene Katayama

Gerson Walber

Pela primeira vez na história política de Campo Grande, um prefeito é cassado. Com 23 votos pela cassação, Alcides Bernal (PP) perdeu o mandato de líder do executivo municipal após a maioria dos vereadores seguir o relatório da Comissão Processante e julgarem o prefeito culpado das acusações de improbidade administrativa . O fim do progressista foi resultado de irregularidades cometidas logo no início do mandato com contratos emergenciais.

O processo iniciou no dia 17 de outubro quando foi aprovada a abertura da Comissão Processante por 21 votos a oito baseado no relatório do final da CPI da Inadimplência. Na época, os vereadores que apoiaram Bernal foram: Zeca do PT; Alex do PT (líder do prefeito); Ayrton Araújo (PT); Luiza Ribeiro (PPS); Cazuza (PP); Carlão (PSB); Gilmar da Cruz (PRB); João Rocha (PSDB).

A grande surpresa foi o vereador Chocolate (PP) que votou a favor da abertura apesar de ser do mesmo partido do prefeito.

Para definir a Comissão Processante, foi feito sorteio. Os aliados João Rocha e Cazuza foram escolhidos, mas declinaram. Chocolate que também foi sorteado também declinou. No fim a comissão ficou composta: Edil Alburquerque (PMDB) – presidente -, Flávio César (PTdoB) – relator – e Alceu Bueno (PSL).

O rito deveria durar 90 dias se estendeu por cinco meses depois da judicialização do processo. A comissão criou cronograma incluindo os representantes das empresas Megaserva, Jágás e Salute cuja contratação apresentou alguma irregularidade, secretários municipais e o próprio prefeito.

Bernal recorreu à Justiça para tentar barrar a Comissão Processante e no dia 20 de novembro conseguiu uma liminar suspendendo a comissão, já que seu depoimento estava marcado para o dia 25 seguinte. A Câmara recorreu e o desembargador Hildebrando Coelho Neto reverteu a situação na madrugada do dia 21. No dia seguinte, o desembargador João Maria Lós paralisou novamente o trabalho da comissão.

A comissão só retomou os trabalhos no dia 9 de dezembro, marcando a audiência do prefeito para dia 11, mas a pedido do Bernal foi adiado para o dia seguinte. No entanto, no dia 12 ele apresentou um atestado médico alegando uma intervenção cirúrgica nos olhos que deixaria o prefeito afastado das atividades entre o dia 10 e 13 de dezembro.

A oitiva foi remarcada pela terceira vez para o dia 16 de dezembro, data em que o prefeito mandou seu representante legal, Jesus Sobrinho, em seu lugar. A Comissão Processante deu como válida a representação do advogado e marcou a sessão de julgamento para o dia 26 de dezembro.

1ª sessão

Pouco tempo após o início da sessão, no dia 26 de dezembro, uma decisão do vice-presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), João Batista Marques Costa, suspendeu a comissão. No meio da tarde, a desembargadora Tânia Garcia de Freitas Borges derrubou a liminar e a sessão foi retomada. Duas horas depois, João Batista voltou a derrubar a liminar, suspendendo a sessão.

Após a guerra de liminares, a Câmara aguardou o retorno das atividades legislativas e no dia 24 de fevereiro recorreu o Superior Tribunal de Justiça (STJ) que decidiu no dia 6 de fevereiro o retorno da comissão. Segundo o STJ, a suspensão de liminar e de sentença está condicionado a ocorrência de “grave lesão à ordem, à segurança, à saúde ou à economia públicas”.

Sessão final

A Câmara marcou para hoje a sessão de julgamento. Desde a última sexta-feira (7), o oficial de Justiça tentou notificar o prefeito no gabinete, mas a assessoria afirmou que ele estava viajando. O prefeito precisava ser notificado com 24 horas de antecedência da sessão.

Na segunda-feira (10), Bernal foi a Brasília protocolar uma Reclamação no Supremo Tribunal Federal (STF) que foi destinado ao presidente Joaquim Barbosa. Ao retornar de Brasília, foi notificado no aeroporto sobre a votação. Bernal se negou a assinar, mas o oficial de Justiça considerou como ciente do documento.

O prefeito não foi logo no início da sessão. Ele chegou após a leitura da defesa escrita dele, apresentada por seu advogado, Jesus de Oliveira Sobrinho. No discurso, Bernal criticou a gestão passada e disse que é perseguido pelos vereadores.

Amanhã (13), deve ser empossado pela Câmara o novo prefeito de Campo Grande, vice de Bernal, Gilmar Olarte (PP).

Notícias relacionadas

13/03/2014
00h04 Gilmar Olarte promete governo de coalizão na prefeitura da Capital
12/03/2014
23h54 Confira os vereadores que votaram contra e a favor da cassação do Bernal na votação decisiva
23h39 Bernal vai embora sem saber final da votação e diz que tudo foi golpe
23h27 Bernal encerra discurso dizendo diz que luta pelos seus direitos até as últimas consequências
23h18 Bernal diz que teve menos tempo que André para resolver os problemas de Campo Grande
23h17 No desespero, Bernal pede até desculpas a vereador que processou
23h12 Bernal diz que não existe político perfeito
23h10 Bernal continua discurso na Câmara ao som de gritos: 'pede para sair'
23h08 Prefeito acusa a imprensa e PMDB de manipularem cassação
22h57 Bernal ameniza e diz que Mario Cesar, assim como ele, não tem culpa do despejo da Câmara
22h48 Em seu discurso, Bernal confessa que estão pedindo para ele renunciar
22h27 Nervoso, Bernal começa a falar, troca nome do presidente da Câmara e é chamado 'bipolar'
22h14 Base se reúne para convencer Bernal de ficar até declaração dos votos
21h26 VÍDEO: Vereadores baixam o nível e briga generalizada toma conta de sessão
21h11 Ao som de 'vendido', público mostra notas de dinheiro e vaia aliado de Bernal
20h59 Apenas nove vereadores devem comentar relatório; seis são da base de Bernal


Comentários (4)

13/03/2014 08:09
André Luiz
Esta é a melhor notícia do ano!!! Parabéns vereadores.

13/03/2014 08:08
Olices Trelha
Desde que esse rapaz tornou-se candidato em Campo Grande, eu avisei que seria um "oba-oba"! Dourados elegeu o Artuzi (falecido) e todos viram a farsa que foi. Em Bonito elegeram um tal Geraldo, foi um desastre, levou a cidade pra trás, e em Campo Grande deu no que deu com esse Bernal.

13/03/2014 08:02
Patricia
Não vamos esquecer esses 23 vereadores na próxima eleição. Alguns de um mandato só!!

13/03/2014 07:53
Osmar Felinto de Mello
Sempre fui contra a cassação. No entanto, se STJ e STF negaram os últimos recursos possíveis impetrados pelo Bernal, que se cumpra o que a Câmara decidiu. Não devemos entretanto nos esquecer que existem três ou quatro vereadores que firam cassados pelo TRE e ainda estão na camara graças a recursos impetrados junto ao TSE, quem espero, julgue tais recursos o quanto antes.