Midiamax
BUSCA: 
 Capa

 Últimas Notícias

 Pimenta no Reino

 Transparência

 Política

 Polícia

 Emprego

 Tecnologia

 Esportes

 Geral

 Mundo

 Brasil

 Agronegócio

 Economia

 Cultura

 Cinema

 Entretenimento
Articulistas



Blogs
 Fernando Soares
Mais Lidas
01 Campanha esquenta e ex-vice-prefeito troca socos e xingamentos com vereador

02 Advogado criminalista é assassinado com oito tiros neste sábado em Dourados

03 Após briga em família, menina de 12 anos revela que tio a estupra e avô faz denúncia

04 Reinaldo repudia boato e diz que é vítima de mais uma armação

05 Mãe faz o parto de filha adolescente dentro de carro na Avenida Afonso Pena

Espaço do Leitor
Espaço do leitor
Acesso Fácil
Faça da Midiamax sua página inicial
Veja também Economia

18/07/2014 09:14

Banco dos Brics pode virar o jogo, diz economista dos EUA

Aumentar texto Diminuir texto

Terra/GA

Divulgação

A criação de um banco de desenvolvimento pelos Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) "tem o potencial de virar o jogo" no cenário financeiro internacional, disse à BBC Brasil o economista Mark Weisbrot, codiretor do Center for Economic and Policy Research, com sede em Washington.

Com capital inicial de US$ 50 bilhões para financiar obras de infraestrutura em países pobres e emergentes, o Novo Banco de Desenvolvimento dos Brics vem sendo encarado como uma alternativa ao Banco Mundial e ao FMI (Fundo Monetário Internacional). Para Weisbrot, o novo banco deverá reduzir a influência internacional dos Estados Unidos e da União Europeia. "Já estava mais do que na hora de o mundo ter um banco como esse", afirma.

"Setenta anos é muito tempo para ter todas as instituições internacionais com alguma capacidade de decisão em questões econômicas sendo controladas pelos EUA e um punhado de aliados ricos", diz, referindo-se à Conferência de Bretton Woods, em 1944, que levou à criação do FMI e do Banco Mundial. "O banco dos Brics tem o potencial de virar o jogo."

O tratado que formaliza a criação do banco foi assinado nesta terça-feira pelos líderes dos cinco países-membros dos Brics, durante o 6º Fórum dos Brics, em Fortaleza. Os membros dos Brics, assim como outros países emergentes, reivindicam há anos reformas que lhes garantam mais voz e mais poder de decisão no FMI e no Banco Mundial. O argumento é o de que a estrutura atual das duas instituições, tradicionalmente dominadas pelos Estados Unidos e por países europeus, é ultrapassada e ainda reflete a ordem mundial do pós-guerra.

Reservas

Weisbrot ressalta a importância do fundo de US$ 100 bilhões que também foi anunciado pelos Brics. Batizado de Arranjo Contingente de Reservas, esse fundo poderá ser acionado para socorrer países-membros do grupo que passem por risco de calote. "Se for bem-sucedido, vai fazer enorme diferença. Talvez até os países europeus busquem ajuda", afirma.

Segundo Weisbrot, para se ter uma ideia do impacto do novo banco na geopolítica financeira, basta observar o que ocorreu nos últimos 15 anos, quando o FMI perdeu influência em vários países de renda média após a crise financeira asiática. "Olhe para a América Latina, veja como cresceu mais rápido na última década do que nas duas décadas anteriores. É claro que não foi somente por causa do (menor poder do) FMI, mas em grande parte, sim."

A expectativa é de que o novo banco comece a operar em 2016. Sua criação precisa ser aprovada pelos congressos dos cinco países. A sede será em Xangai, na China. A presidência será rotativa, com o primeiro mandato, de cinco anos, a cargo da Índia.

Temores

O capital inicial de US$ 50 bilhoes será dividido igualmente entre os cinco países. No caso do fundo de US$ 100 bilhões, a maior parte do montante virá da China (US$ 41 bilhões). Brasil, Rússia e Índia contribuirão cada um com US$ 18 bilhões, e a África do Sul entrará com US$ 5 bilhões. O anúncio provocou temores de que, do mesmo modo que o Banco Mundial e o FMI são muitas vezes criticados por serem instrumentos da hegemonia americana, o novo banco possa se transformar em ferramenta para servir aos interesses chineses.

Weisbrot, no entanto, diz achar pouco provável que isso ocorra. Ele observa que os chineses "têm uma filosofia diferente" e lembra que não costumam vincular condições em seus empréstimos na África. "A China não é um país neoliberal, o Estado é dono da maior parte do sistema financeiro e das grandes companhias, e não o contrário, quando as grandes companhias são donas do Estado", diz o economista americano. "Isso não quer dizer que não vão defender seus interesses. Mas há uma diferença entre defender seus interesses e remodelar uma sociedade inteira à imagem que você deseja."

Outra preocupação em relação ao novo banco vem de ONGs, que dizem temer que a instituição financie projetos com impacto social ou ambiental negativo. "É uma possibilidade", admite Weisbrot. "Mas o que o Banco Mundial faz? Houve algumas reformas, é verdade, mas foram pequenas. Eles ainda financiam grandes projetos de combustíveis fósseis e todo tipo de coisa destrutiva ao meio ambiente", afirma.



Comentários (0)

 
Deixar comentário
Entrevista
Diretor do CRA fala da importância do profissional administrador na gestão pública